No dia 13 de março, Axl Rose e a nova formação do Guns N’ Roses subiram no palco do Estádio do Palestra Itália, para apresentar a nova turnê e mostrar que o Guns continua sendo, bem, o Guns N’ Roses. A última vez que a banda esteve no país, foi em 2001, no Rock in Rio.

Tá certo que o show estava marcado para começar às 21h30, e o público sabia que teriam três shows de abertura, entre eles, o de Sebastian Bach, convidado especialmente para abrir os shows da banda aqui no Brasil.

Às 21h50, Sebastian sobe no palco e começa o show de abertura. Aquilo não foi uma abertura. Francamente, ninguém toca mais de 8 músicas em uma apresentação de abertura. Cada vez que uma música terminava, Bach se virava para o público e avisava: “essa é a última, São Paulo”. Depois que a “última” chegava ao fim, ele anunciava a próxima última música de sua apresentação.

Agora, engana –se quem pensa que a apresentação do ex-Skid Row, foi uma chatice. Muito pelo contrário, Sebastian apresentou músicas inéditas de seu novo trabalho e tocou clássicos de sua carreira como 18 And Life e I Remember You. Sua apresentação terminou às 23h30.

Rapidamente, uma equipe técnica começa a organizar o palco para o grande show da noite. À meia – noite, o palco já estava montado, mas o som que se escutava era Highway to Hell, do AC/DC, provavelmente em CD. O público já estava impaciente. Começaram a rolar boatos de que a banda não se apresentaria, tendo em vista o “bolo” que Axl deu em um grupo de celebridades que deveriam assistir a um show da banda em uma boate, na dia 11.

De repente, as luzes se apagam. O relógio marca 00h40. Escuta- se o som dos primeiros riffs de Chinese Democracy, e a banda começa a se posicionar no palco. Axl Rose entra cantando. Muitos gritos! Logo após o primeiro refrão, Rose ordena que os demais integrantes parem de tocar imediatamente. O motivo: algum indivíduo na ala vip se sentiu no direito de arremessar uma garrafa/copo no vocalista. Depois de xingar o elemento, Axl se virou para a sua platéia e, gentilmente, perguntou: “de onde devemos continuar?”. Deste momento em diante, a banda estava completamente perdoada pelo “pequeno” atraso de 3 horas.

No set list, estavam presentes sucessos dos primeiros álbuns da banda, as músicas novas, covers, como Live and Let Die, de Sir Paul McCartney, e solos dos novos integrantes (uma forma de apresentação dos músicos). Destaque para o solo de Dizzy Reed no piano, para o clássico Ziggy Stardust, de David Bowie, seguido pela belíssima Street of Dreams.

Apesar das músicas da nova fase do Guns serem ótimas, o público se arrepiou mesmo foi com os clássicos. Logo após a abertura, a banda seguiu com Welcome to the Jungle, e nem é preciso dizer que o estádio tremeu na hora que Axl perguntou ao público se sabiam onde estavam. “Do you know where you are? You’re in the jungle, baby!”.

Chegou a hora do solo de Axl. Tranquilamente, se sentou ao piano e começou a tocar e cantar o clássico do Pink Floyd, Another Brick in the Wall, Pt.2, e a galera gritou junto no famoso “hey, teachers! Leave the kids alone!”. Em seguida, Rose começou a tocar os primeiros acordes de November Rain, as lágrimas começaram a rolar e os aparelhos celulares começaram a balançar no alto.

Bem na hora em que começa a “parte agitada” da música, Axl fez uma pausa. Abaixou a cabeça. Olhou para o público. Respirou. Olhou para os demais integrantes, e fez o sinal de aprovação. A banda continuou. Eis que entra o som de guitarra, e vem em mente a imagem de Slash tocando no meio do deserto. O problema? Slash não está lá, e faz anos. No palco, os três guitarristas surpreendem no solo final, ao mesmo tempo que fogos explodem no palco e Axl canta os versos finais da música. Muitos gritos e aplausos confirmam a aprovação do público.

O conhecido cover de Knockin’ on Heavens Door, de Bob Dylan, não poderia faltar. E foi provavelmente um dos momentos mais emocionantes da noite. Nessa música, Axl pediu desculpas pelo atraso e explicou que não compareceu ao show fechado no dia 11, porque não concorda com esse tipo de evento, disse que faz shows para os fãs e não para celebridades que querem shows exclusivos. Não concordou em fazer a apresentação, mas que mesmo assim, alguém havia confirmado a presença da banda. Neste momento, aproveitou para pedir desculpas por não alcançar todas as notas altas, devido a uma forte gripe que atingiu toda a banda, e que também foi o motivo do atraso. Axl Rose pediu desculpas pela voz, mas as falhas vocais não eram perceptíveis. Foi surpreendente a capacidade apresentada em This I Love, em que Rose alcançou notas altíssimas.

Antes de finalizar o show, a banda apresentou Patience, com direito a um estádio de futebol inteiro assoviando de braços erguidos com celulares brilhando. O Guns se despediu, como de costume, com Paradise City, que também não deixou a desejar. Após a execução da última música, a banda se reuniu no palco, e agradeceu ao som ensurdecedor dos berros de “Guns N’ Roses! Guns N’ Roses!”.

***

Texto originalmente publicado em um blog já falecido, mas que resolvi importar para este espaço. Por favor, perdoem o tom meio ~pedante~ de quem acha que sabe de tudo; eu era uma jovem universitária. #PAZ

- M.