A minha lista de leituras para o ano que vem já pode eliminar um livro! As vantagens de ser invisível, de Stephen Chbosky, nos traz a história de Charlie, um adolescente não muito sociável que está prestes a iniciar o High School - algo como o Ensino Médio que temos por aqui - em uma nova escola.

Charlie é um garoto tímido, do tipo que está sempre sozinho, se isola e não costuma socializar muito com outras pessoas. A ideia de iniciar o High School em uma escola nova é muito assustadora, por isso, ele resolve que precisa contar o que acontece com ele - os fatos, suas lembranças, suas sensações, etc. - para alguém de confiança, alguém que não tentou dormir com aquela pessoa naquela festa. Dessa forma, o livro é escrito por Charlie em forma de cartas em que ele vai narrando o que aconteceu. As cartas sempre iniciam com "Dear friend" e terminam com "Love always, Charlie" - a edição que li é em inglês, por isso, as citações não estão em português.

Conforme a leitura avança, podemos conhecer um pouco da família de Charlie e a sua ligação com cada um de seus membros; o interessante é que ele nunca menciona o nome de ninguém, chamando sempre de "meu pai", "minha irmã", "meu avô", etc., e a única exceção é a sua Tia Helen. Desde a primeira carta, já fica claro que Charlie tem uma ligação muito forte com a sua tia e que algo muito ruim aconteceu com ela, mas ele demora um pouco para nos explicar o que aconteceu.

Já no começo, fica claro que Charlie é um garoto problemático que já precisou fazer muita terapia para superar algum trauma que só fica claramente explicado na parte final do livro - até lá, o leitor já formou inúmeras teorias -, e que está relacionado à sua dificuldade de socializar, de participar na vida. Em sua nova escola, Charlie encontra apoio nas amizades de Patrick - o garoto mais legal da escola, super engraçado e amigo de todos - e Sam, uma garota doce, simpática e, de certa forma, ingênua.

Mesmo sabendo que Charlie passou por algo traumático, a narrativa nas cartas nem sempre é pesada. Muito pelo contrário, em alguns momentos é engraçada, em outros, traz reflexões e, em outros, apenas nos conta as histórias dos personagens ou a rotina de Charlie em um determinado dia. É uma leitura bem simples e agradável. Com o tempo, já estava tão envolvida com a história, que considerava Charlie meu amigo. Sentia as alegrias dele e sofria com suas tristezas.

"When we got out of the tunnel, Sam screamed this really fun scream, and there it was. Downtown. Lights and buildings and everything that makes you wonder. Sam sat down and started laughing. Patrick started laughing. I started laughing. And in that moment, I swear, we were infinite".

O livro me lembrou muito O apanhador no campo de centeio, de J. D. Salinger, um dos meus livros preferidos e um clássico que aborda justamente questões da adolescência, como se sentir deslocado e a dificuldade em se adaptar ao mundo dos adultos. Aliás, este é um dos livros que Charlie lê e nos fala sobre. Seu professor de literatura, Bill, percebe as dificuldades de Charlie e lhe indica uma série de livros que possam lhe ajudar de alguma forma. Eis alguns títulos: O apanhador no campo de centeio, O grande Gatsby, On The Road, O sol é para todos, Este lado do paraíso, Uma ilha de paz, Almoço nu e A vida nos bosques.

Além das referências literárias, Charlie nos traz várias indicações musicais. Como o livro se passa no início dos anos 1990 (entre agosto de 1991 e agosto de 1992), a maioria delas são conhecidas: The Smiths, Nirvana, Fletwood Mac, Smashing Pumpkins, U2 e por aí vai. Uma experiência bem legal é ler o livro escutando as músicas.

As vantagens de ser invisível é um livro sobre a adolescência e traz temas fortes como violência, uso de drogas, abuso e homossexualidade. Mas tudo de uma maneira bem sutil e delicada. Quando a leitura acaba, a saudade bate e ficamos curiosos para saber mais sobre a vida de Charlie e de seu universo. Indico à todos que, como eu, amam O apanhador no campo de centeio.


9 Comentários

  1. Eu li esse livro em janeiro desse ano e eu gostei muito, não sei se foi porque eu ficava o dia inteiro sozinha em casa e o Charlie me fez muito companhia, eu senti que ele escrevia as cartas para mim (olha o drama). Estou doida para ver o filme!!! beijos

    ResponderExcluir
  2. gente como eu quero ler esse livro
    eu gostei da capa dele do filme sabe
    *-*
    adorei a postagem

    ResponderExcluir
  3. Nossa. Eu literalmente acabei de ver o filme desse livro!
    É muito lindo *_*! Mal posso esperar para ler o livro. O Charlie é um doce de pessoa, e eu me identifiquei um pouco com a solidão dele. Mas achei o filme maravilhoso e pela sua resenha tenho certeza de que o livro é também!

    Beeijos

    ResponderExcluir
  4. Adorei a sinopse do livro, parece ser muito bom! Com certeza o fato de ser escrito através de cartas faz a diferença na narrativa. Mais um na minha lista de futuras leituras!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Quero muito ler esse livro, mas eu tenho uma dúvida: Porque a capa original é muito mais linda que a nacional? :'(
    Vou comprar o original, só pela capa kkkkk
    Beijinhos, Lyn
    http://pequenainsone.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Eu quero ler esse livro, acho que todo adolescente que se sente meio deslocado tem essa vontade ne? Que legal você ter lido ele em inglês.

    Beijos ;*
    Pepper Lipstick

    ResponderExcluir
  7. Eu ainda não li, vi ontem na livraria leitura, e achei bastante interessante. Próxima passada lá, vou comprar. Você tá lendo a batalha o labirinto né? É maravilhosamente fantástico! Estou seguindo o blog e curti a fan page, dá uma passada no meu? :*

    http://veronicareis.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bom?
    Eu gostaria de saber algum lugar ou site onde eu posso comprar este livro. Você poderia me informar sobre isso?
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucas

      Este aí eu comprei em 2012 na Livraria Cultura. Acho que no site da loja ainda vende. :)

      Excluir