(Ou: Sobre ser livre para ler o que quiser)

Há algumas semanas (ou foi um mês?) o blog Happy Batatinha lançou o Meme Literário de Um Mês, no qual cada dia os blogueiros tinham que responder à uma pergunta relacionada às suas leituras. Não participei do meme, mas andei lendo as respostas de um monte de gente por aí e foi bem legal - tanto para ver sugestões, quanto para conhecer um pouquinho mais dos blogueiros e blogueiras que sigo. Enfim, entre todas as perguntas, teve uma em especial que me chamou atenção e gostaria de compartilhar com vocês um pouco do que penso sobre o assunto, ok? 

O que você acha da elitização da literatura?(Você acha que realmente só é intelectualizado aquele que lê os clássicos da literatura? Que ler 1000 livros “de banca” não equivalem a 10 clássicos? O que você acha das pessoas que criticam a literatura “para a massa”, os blockbusters literários? É mesmo possível julgar o nível de intelecto de uma pessoa pelo que ela lê? Você tem algum preconceito literário?)

Não gosto de pensar em literatura como algo elitizado. Claro que para mim é fácil dizer, já que tive acesso à educação de qualidade e pais que sempre me incentivaram a ler. Nem todo mundo pode ter isso. Porém, já cansei de encontrar gente com as mesmas oportunidades que eu tive e que não gosta de ler, acha que é perda de tempo. Da mesma forma, já encontrei muita gente que não teve acesso à uma boa educação, mas que foi atrás, correu atrás de seus sonhos e que já leu muito mais que os leitores assíduos que encontramos por aí. Claro que a "elite" tem um acesso muito mais fácil aos livros, até porque, infelizmente, livros ainda são muito caros aqui no Brasil.

Outro ponto que gostaria de destacar é que a leitura é uma forma de lazer, logo, espera-se que seja algo divertido. Se uma pessoa se diverte lendo Nicholas Sparks e Cinquenta tons de cinza, ótimo! Se gosta de Franz Kafka e George Orwell, ótimo também! Se gosta de leitura teórica/acadêmica e isso te faz feliz, perfeito! O que importa é você ser feliz lendo o que você gosta de ler. Eu, particularmente, não consigo ler romances de banca, mas não tenho absolutamente nada contra quem o faz. Da mesma forma, não costumo ler muito chick-lit, detestei Crepúsculo e não tive o mínimo interesse pela trilogia Cinquenta tons. Ah, também não manjo quase nada de literatura brasileira (shame on me, I know). Isso tudo me faz uma pessoa melhor ou pior? Claro que não. 

Sendo assim, ninguém deveria ser julgado por gostar de Stephenie Meyer, Meg Cabot, E.L. James, Paulo Coelho, Dan Brown ou qualquer outro escritor que pisa ou que já tenha pisado neste planeta. Até onde eu sei, o Brasil é um país livre, uma democracia e, sendo assim, cada um de seus cidadãos é livre para gostar do que quiser e para ler o que quiser. Com exceção do vestibular.

E não, não se pode medir o intelecto de ninguém com base em suas preferências literárias. A gente é tudo o que a gente lê, vê e escuta; e com isso quero dizer que muito do que a gente consome culturalmente influencia em nossa maneira de pensar e de enxergar o mundo e seus indivíduos. Com isso em mente, eu procuro manter um certo equilíbrio em minhas leituras, que variam entre best-sellers e clássicos. Mas essa sou eu, esse é o meu jeito de enxergar as coisas e ele funciona para mim. Quem sou eu para sair dizendo para as pessoas o que elas podem ou não podem fazer? O que devem ou não devem ler? 

O mais importante é a pessoa gostar de ler e se divertir fazendo isso. E com essa afirmação, eu finalizo o post de hoje.

***



PS: amanhã será a minha banca de TCC. Por favor, me desejem sorte! Obrigada! Beijos


7 Comentários

  1. Oi Michas!

    Nosso, eu concordo muito com vc! Eu penso assim: se a pessoa gosta de ler, nem q seja 50 tons ou crepúsculo, tá valendo. Pelo menos elas estão lendo alguma coisa, saca? Pois a realidade do nosso país é bem diferente... até os adolescentes que estudam em escolas particulares e que têm poder aquisitivo odeiam ler. O que é uma pena, pois vejo essa época escolar como uma ótima oportunidade para conhecer os clássicos brasileiros!

    É claro que nem todos os jovens são assim... eu me considero uma leitora super eclética: já li Sabrina e afins, Gabriel Garcia Marquez, Dan Brown, Machado de Assis, Eça de Queiroz, Marian Keyes... enfim, não tenho nenhum preconceito literário, tanto que até comprei os "50 shades of shit" (hehehe!) pra ver qual era o lance... só que não rolou comigo.

    Acho uma pena qdo vemos pessoas que acham q a leitura é algo elitizado e que estamos "proibidos" de gostar de best sellers e afins... o que torna a leitura rica é a variedade de gêneros.

    Beijão e ótimo início de semana!

    Piece of My Heart

    ResponderExcluir
  2. O importante é ler, né, Michas? Cada um tem que ler o que quiser, desde que leia, sou dessa opinião!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. olha eu partiulamente não gosto de classicos... sabe é uma questão de gosto pessoal, nõ acho que só a "Elite" leia classicos, isso vem muio do gosto da pessoa ^^ mas o importante é a leitura.

    http://himi-tsu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que todo mundo tem direito de ler o que quiser. Por exemplo, eu tenho que ler os livros para vestibular e não acho nem um pouco legal. O que eu gosto mais é Capitães de Areia, que envolve aventura e romance, como a maioria dos que eu leio além desses. Beijos! Amei o post.
    Sorrisos voam

    ResponderExcluir
  5. Eu acho que em um país onde a literatura é tão pouco apreciada a gente deveria dar graças por cada pessoa que lê, seja lá o que for! Eu gosto tanto de best-sellers quanto de clássicos, e vejo livros como entretenimento, acho que ler é uma forma de se divertir e não existe pessoa que não goste de ler, existe gente que não encontrou um livro que lhe agrade (e pode ser qualquer livro).
    Beijinhos

    Am
    http://www.vinteepoucos.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Conheço também muita gente que teve acesso a uma educação de qualidade mas não gosta de ler, e vice-versa. Leio de tudo, embora não entre na onda de best-sellers talvez por ser um pouco rebelde com relação a consumir o que todo mundo está consumindo. No entanto, acho interessante conhecer os clássicos porque eles são universais, e podem surgir referências a eles em outras obras.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Que legal o tema do blog, em especial de natal. Estava vendo a barra do lado (como sempre) e achei o cachorrinho um lindo, um mimo mesmo. Seu post ficou bem similar ao que fiz, pensamos juntas desta vez. :B Eu postei as fotos da viagem para a DisneySea e DisneyLandia, espero que goste. http://fourteensprings.blogspot.jp/

    Nicole Kawai, Shizuoka-Japan.

    ResponderExcluir