Há algumas semanas decidi iniciar uma releitura de O grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, a tempo de ir ao cinema para assistir a nova adaptação cinematográfica dirigida por Baz Luhrman. Ambas as experiências foram positivas e tentarei falar brevemente sobre elas nesse post, acompanhado de vídeo novo no canal :)

Em O grande Gatsby, Nick Carraway narra uma série de acontecimentos que marcaram a sua vida no verão de 1922, quando se mudou de sua cidade natal no oeste dos Estados Unidos para Long Island. Vivendo em um chalé simples, mas rodeado por mansões na vizinhança, logo no início de sua narrativa, Nick se impressiona com o luxo e a movimentação na casa de seu vizinho, Jay Gatsby, um homem sobre o qual todos ouviram falar, mas que ninguém conhece. Rola toda uma aura misteriosa a respeito desse sujeito.

Gatsby é famoso na região pelas festas absurdamente badaladas e luxuosas que oferece em seu "pequeno" castelo para todos aqueles que quiserem comparecer aos eventos. Ao contrário do que acontece com todos os que aparecem nas festas de Gatsby, Nick recebe um convite assinado pelo próprio anfitrião, que insiste para que ele compareça à próxima festa. Curioso e com um certo receio, Nick resolve ir e ao chegar lá, se surpreende ao descobrir que praticamente ninguém conhece Gatsby e muitos nem sequer o viram.

Além do vizinho peculiar, excêntrico e completamente desconhecido, Nick vai nos apresentar à Daisy, sua prima distante e rica que casou com um homem igualmente rico; Tom, o marido de Daisy; e Jordan Baker, uma jogadora de golfe famosa e amiga de longa data de Daisy. Já no começo da narrativa, descobrimos que a vida matrimonial de Tom e Daisy não é tão perfeita quando parece ser, mas sim rodeada de segredos. E o único que parece ter conhecimento dos segredos é Nick, o narrador-observador. 

Conhecido por retratar a chamada Era do Jazz em suas obras, F. Scott Fitzgerald publicou O grande Gatsby em 1925, um período em que os Estados Unidos viviam a prosperidade econômica, antes do grande crash da bolsa de valores em 1929. Apesar de retratar a vida luxuosa e glamourosa da alta sociedade, a obra tem também faz uma sutil crítica ao materialismo e a superficialidade presentes na vida das pessoas dessa elite.

No que diz respeito à narrativa de O grande Gatsby, não posso mentir. Na primeira vez que li, levei semanas para vencer os três ou quatro capítulos iniciais, que se arrastavam em uma narrativa lenta, sem muitos acontecimentos e que parecia não levar a lugar nenhum. Felizmente, as coisas melhoraram quando Gatsby entrou na história e aí, me apaixonei pelo livro. Recomendo a leitura à todos que gostam de conhecer os clássicos, ou que tenham a curiosidade de conhecer Fitzgerald, ou que estejam curiosos para assistir ao filme.

Quanto ao filme, serei direta: adorei. A adaptação está muito bem feita, com uma trilha sonora surpreendente, um roteiro bem feito, fotografia belíssima e um elenco mais que competente. Tobey McGuire, para mim, ficou perfeito como Nick - um personagem que eu nunca consegui imaginar - e Leonardo DiCaprio dispensa comentários, pois, claramente, nasceu para ser Gastby. Sério, gente, ele está IGUAL ao Gatsby do livro. Simples assim. Recomendo muito; mas antes, leia ao livro :)

***



2 Comentários

  1. Ainda não vi o filme nem li o livro, mas quero muito fazê-lo! Ainda pra mais agora depois de ler a tua review!! *-*
    Gostei muito! Bjnhos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carolina,

      Faça os dois o quanto antes! O Grande Gatsby é incrível :)

      Beijos

      Excluir