Pois bem, mais um vez, cá estou, com resenhas atrasadas! Me desculpem! Mas é como eu sempre digo: antes tarde do que nunca, né? Vamos lá!

"A Seleção" é o primeiro livro de uma trilogia distópica (?) escrita por Kiera Cass e vai nos apresentar a um mundo em que, após quatro guerras mundiais, os Estados Unidos deixaram de existir, surgindo em seu lugar Iléa - um país jovem dividido em oito castas comandadas por uma monarquia. A diferença social entra as castas de Iléa é gritante; os integrantes das castas um a quatro tem vidas confortáveis, com luxos e riquezas e nada lhes faz falta; a partir da casta cinco, a qualidade de vida só vai piorando conforme os números vão aumentando. Sendo assim, integrantes da casta cinco passam dificuldades, mas ainda conseguem se manter. Já os da casta oito vivem na miséria.

America Singer, a protagonista, faz parte da casta cinco - a dos artistas - e vive com seus pais e dois irmãos mais novos. Há dois anos, America começou a namorar com Aspen -que está uma casta abaixo da sua - e sonha em se casar com ele. Aspen é mais realista, pois enxerga a sua condição social e sabe que não será capaz de oferecer muitas oportunidades para America, principalmente porque precisa assumir a função de "homem da casa" e sustentar a sua família desde que seu pai faleceu.

A vida de ambos vai mudar quando a Seleção é anunciada. Trata-se de um evento promovido pelo palácio e que visa a escolha de uma esposa para o príncipe Maxon. Todas as moças com idades entre 16 e 20 anos poderão se inscrever e 35 serão selecionadas para participar de uma competição no palácio. Tudo será televisionado. #thebachelor #bigbrother

Não apenas a vida da futura princesa será melhor, mas a de todas as participantes, pois a cada dia que uma moça permanece na competição, sua família recebe uma quantia em dinheiro. Mesmo quando eliminada, a participante é elevada para a casta três; se vencer, toda a sua família é elevada à casta um. Sabendo desses benefícios, a mãe de America insiste para que ela se inscreva, pois a Seleção é uma oportunidade de melhorar a vida da família. Apenas para satisfazer a vontade da mãe, America se inscreve e se surpreende ao saber que foi selecionada. E vou parar por aqui.

***

Quando resolvi ler "A Seleção" estava vivendo uma fase de quase ressaca literária, em que praticamente nada me interessava, de forma que uma série YA era tudo de que eu precisava. Não porque seja um gênero que o senso comum insiste em menosprezar, mas por ser algo mais "leve", no sentido de fazer uso de uma linguagem mais simples, com maior facilidade de compreensão. E encontrei tudo isso na leitura, assim como um enredo que me prendeu do começo ao fim, com personagens cativantes e interessantes. Por incrível que pareça, contrariei minha tendência a sempre detestar a protagonista de livros YA, e gostei bastante da America; também não me incomodei com o triângulo amoroso - porque sim, tem um desses em "A Seleção" também - que, acredito, será melhor desenvolvido na sequência.

Alguns aspectos na estrutura da história não ficaram claros, mas como acompanhamos a narrativa da America, dá para compreender o porquê de isso acontecer. America é mais ou menos como a Katniss Everdeen nesse aspecto, pois não sabe absolutamente nada do que acontece no cenário político de Iléa - em partes porque não presta atenção e/ou não se interessa, em partes porque as autoridades "escondem" muita coisa. Acredito também que esse aspecto será melhor esclarecido no segundo livro, que eu pretendo ler. 

Em linhas gerais, achei que "A Seleção" foi um bom início de trilogia, um livro interessante e diferente do que costumo ler. Os personagens são coerentes com o contexto em que estão inseridos e é fácil acreditar neles, no que eles acreditam ser certo. Gosto disso quando estou lendo, gosto de acreditar nos personagens. Recomendo a leitura para quem se interessa por futuros distópicos - mesmo que, aparentemente, eles não sejam o foco principal -, reality shows estilo "The Bachelor" e - por que não? - triângulos amorosos.


6 Comentários

  1. Estou lendo agora e gostei muito da sua resenha. Minhas reações com o livro lembram algumas das suas hehe. Eu estou gostando bastante do livro justamente por ter uma leitura agradável e bem simples, afinal, estava cansada de ler aqueles livros mais "cabeça".

    Xx

    Apofenias Aleatórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nayla,

      A Seleção veio no momento certo! Adorei a leitura e pretendo continuar com a série! Depois que terminar, conte o que achou :)

      Excluir
  2. Fiquei bem feliz por saber que você gostou de A Seleção, Michas. Amo aqueles livros para relaxar tanto quanto amo aqueles mais densos ou misteriosos. E você, é #TeamMaxon ou #TeamAspen? :D

    Beijinhos

    500wfe.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lohana,

      Achei bem diferente do que costumo ler, mas gostei bastante! Então, no momento sou #TeamMaxon, porque achei o Aspen bem chato. Mas, ouvi dizer que em A Elite as coisas mudam, né? Não sei porque ainda não li...

      Veremos! ahahhaa

      Beijos

      Excluir
  3. Gostei muito da sua resenha e olha que já li várias resenhas sobre A Seleção.
    A verdade é que eu quero muito ler esse livro, mas tenho que terminar os que já estou lendo ;(

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vivian!

      Também vi muita resenha de A Seleção e até fiquei com receio de vir aqui falar sobre o livro, porque penso que ninguém quer saber mais. Mas, me pediram para falar o que achei :)

      Olha, eu recomendo a leitura sim. Muito divertida e envolvente :) Se resolver ler, me conte depois o que achou :)

      Boa sorte com as leituras!

      Beijos

      Excluir