Estou até com vergonha do tempo que demorei para postar essa resenha aqui, sério. Me desculpem mesmo. Mas, é como eu digo: antes tarde do que nunca!

Quando ainda estava participando do Desafio Literário 2013, tinha escolhido "O mistério do Trem Azul" para a leitura de julho e, mesmo desistindo do desafio um mês antes, resolvi ler porque Agatha Christie é sempre bem-vinda. Caso você que está lendo essa resenha não saiba de quem estou falando, vamos fazer uma breve contextualização, ok? Agatha Christie foi uma escritora britânica bastante conhecida do século XX que ficou famosa por escrever romances policiais. A maioria das histórias da Rainha do Crime - como era chamada - contam com a participação de um detetive;os mais conhecidos são Hercule Poirot, Miss Marple, Parker Pyne e Tommy e Tuppence Beresford (serei sincera ao dizer a vocês que só conhecia os dois primeiros).

Agora que já contextualizamos vamos ao caso em questão. "O mistério do Trem Azul", publicado em 1928, nos apresenta a Riviera Francesa, local onde os ricos britânicos costumavam passar o inverno e que servirá como cenário para a narrativa de Agatha. Ruth faz parte da alta sociedade britânica e é bastante infeliz em seu casamento com Derek Kettering que só se casou pela fortuna do pai da moça e a trai com uma dançarina. Determinado a convencer a filha a pedir um divórcio, Rufus Van Aldin, um milionário norte-americano, resolve presenteá-la com um mimo: um colar de rubis conhecido como Coração de Fogo, famoso e cobiçado por ter pertencido a muitos reis, imperadores e czares, além de ter uma história recheada de tragédias e mortes.

Dias após garantir ao pai que irá se divorciar de Derek, Ruth embarca no Trem Azul, rumo à Riviera Francesa. O motivo que a levava até lá era desconhecido. Durante a primeira noite no trem, Ruth Kettering é assassinada de forma bastante brutal e seus rubis são roubados. Ninguém observou nada de estranho durante a noite e o crime só foi descoberto no dia seguinte. Para sorte da polícia francesa e para a alegria do leitor, Hercule Poirot estava à bordo do Trem Azul e resolve investigar o crime que, aparentemente, não deixou nenhuma pista.

Ao longo da investigação vamos descobrindo como era a vida de Ruth Kettering e, consequentemente, os suspeitos começam a surgir, como, por exemplo, um possível amante que era alguém de seu passado. Além de acompanharmos Hercule Poirot em sua investigação, conhecemos Katherine Grey, uma dama de companhia que herdou uma grande fortuna e que também estava à bordo do Trem Azul, sendo a última pessoa que viu a vitima com vida.

Sinceramente, não entendi muito bem qual foi a utilidade de Katherine Grey na história. No começo, até compreendi, já que ela havia sido a última pessoa a conversar com Ruth Kettering, mas ainda não entendi qual foi a necessidade de contar toda a história da personagem. Não que ela fosse desinteressante, muito pelo contrário, durante a leitura eu fiquei mais preocupada com a vida de Katherine do que com a solução do crime, que diga-se de passagem parece ter sido esquecido durante parte do livro.

De uma forma geral, esperava mais de "O mistério do Trem Azul". Não que seja um livro ruim, mas de modo algum pode ser considerado um dos melhores da autora. A sensação que tive foi que, em algum momento, Agatha se perdeu; se esqueceu do crime. Não sei. O fato é que tudo fica muito solto, a narrativa para de focar na investigação, começa a mostrar a vida cotidiana dos personagens e...bleh. Se perde. No fim das contas, não gostei nem um pouco da solução do crime, porque a meu ver, ao contrário do que ocorreu com outros livros da autora, as pistas deixadas não foram muito explicadas e não consegui ligar muitos pontos. Ficou faltando algo. Nem o brilhantismo de Hercule Poirot me ajudou.

Por fim, apenas recomendo esse livro para quem já está habituado ao estilo da autora. Se você nunca leu nada escrito por Agatha Christie, recomendo a leitura de "E não sobrou nenhum" (ou "O caso dos dez negrinhos"), "Assassinato no Expresso do Oriente" e "Convite para um homicídio"; são livros excelentes que servirão positivamente como porta de entrada para a obra da Rainha do Crime.


10 Comentários

  1. Tu nunca leu nada com o Tommy e Tuppence? (O_O)
    Eles são muito divertidos, porque é tudo meio amador, e com um toque de aventura. Bem diferente do Poirot e da Miss Marple.

    O primeiro livro com ele é "O Inimigo Secreto". Recomendo muito!


    Eu não li "O Mistério do Trem Azul" ainda, mas a tua decepção com a solução do crime em si, a divagação na estoria, me lembrou “O Caso do Hotel Bertram” onde parece que a Agatha colocou um crime nos 44" do segundo tempo, só para o livro não ficar sem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Iiih, sério que ela fez isso em "O Caso do Hotel Betram"? Bom saber, não vai entrar na lista de prioridades.

      Já separei O Inimigo Secreto. Provavelmente será a próxima leitura de Agatha Chistie que irei fazer :)

      Obrigada pela dica!

      Beijos

      Excluir
  2. Acho que nunca li este. Se li foi há imenso tempo através da biblioteca. Sei que o tenho e que, depois de ler a tua opinião, vai ficar na prateleira mais um tempo:) Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Catarina, não recomendo mesmo. Muito sem graça e a solução do crime é bem fraca :(

      Beijos

      Excluir
  3. Nem acredito! Um post sobre a Agatha! :D

    Sou completamente apaixonada pela Agatha Christie, um dos meus maiores ídolos. Vivo lendo livros dela (o atual é "Nemesis", estrelado por Miss Marple). Inclusive, os meus colegas de trabalho me ofereceram a autobiografia dela no meu aniversário e eu fiquei fascinada com o ser-humano que ela era. Se eu já era fã dela enquanto escritora, virei fã da pessoa que ela foi, também.

    É, a parte da Katherine Grey foi um pouco fora de propósito, mas Agatha era assim mesmo, ela ia escrevendo e a história ia tomando forma, aos poucos, daí que algumas coisas que, no começo, poderiam ser importantes, acabam perdendo a importância. Aliás, no livro "E No final, A Morte", ela mudou o fim que tinha pensado para a história, a pedido de um amigo.

    O meu livro favorito dela é "O Assassinato de Roger Akroyd", pelo final surpreendente, mas também amo "Um Destino Ignorado", porque foge bastante do estilo dela...

    Ups! Desculpe o tamanhão do comentário; quando começo a falar de Agatha christie, é complicado parar! Rs

    Beijinhos e tudo de bom.

    www.msmarydee.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mary

      Tudo bem?

      Não precisa pedir desculpas pelo tamanho do comentário, haha, gostei muito do que você escreveu. Adoro a forma como a Agatha constrói as suas histórias. Pouco sei da vida dela e também não li nem metade dos livros que ela escreveu, mas ainda assim, gosto muito de lê-los :)

      Já ouvi ótimos comentários a respeito de O Assassinato de Roger Akroyd e pretendo lê-lo o quanto antes! Vi que tenho Nemesis aqui em casa, e vai entrar na fila de leituras de Agatha Christie! Tô louca para encontrar a Miss Marple novamente :)

      Obrigada pela visita e pelo comentário :)

      Beijos

      Excluir
  4. Poirot chato. Sou dessas, não vou ler só porque é dele.
    (Rebeldia pura).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vixe! Rebeldia não, brother! Ahahahaha, brincadeirinha! Eu acho o Poirot um chato também, mas...supero a chatice dele para descobrir o autor do crime ahahaha

      Excluir
  5. Michas, você já leu A Testemunha Ocular do Crime? Comecei a ler há pouquíssimo tempo e estou gostando bastante! Ah, e ele tem a Miss Marple, quando descobri isso logo fiquei feliz pois lembrei da sua resenha (e dos comentários positivos) de um dos livros da Agatha em que ela também estava na história :).

    xoxo

    500wfe.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Michelle Borges vc sabia, na opinião da propria autora, esse foi seu pior livro, tem uma entrevista que vi num blog, atraves de um fa clube dela no Facebook!

    Não achei seu pior livro, achei o 3º pior da Agatha - também já li quase 20 kkk - noite das bruxas e por incrível que pareça assassinato no expresso do oriente achei mais chatos!

    Vou ler Convite para um Homicídio, nunca tinha ouvido falar nele, mas pela sua resenha fiquei interessado, porém, antes tenho que ler Morte no Nilo, Os Crimes ABC e A Mansão Hollow, todos dela também que já foi varias vezes indicados a mim...

    Ah... antes de acabar O Visitante Inesperado é S E N S A C I O N A L , mas nao sei se vc vai gostar porque tem 140 paginas e é famos dizer, pouco simples... pra vc que curte soluções de crimes que tenha soluções bem coerentes e suspense, recomendo A CASA DO PENHASCO, suspense puro, em materia de suspense é o livro de mais suspense junto com o caso dos dez negrinhos da agatha!

    UFA, Escrevi de mais, me responde se conseguiu ler tudo kkkk

    ResponderExcluir