Ambientado em 1986, "Eleanor & Park" traz a história de dois adolescentes deslocados que, inusitadamente iniciam um relacionamento e se apaixonam. Eleanor, aos 16 anos, vive em um lar desestruturado: seu padrasto - um homem de temperamento explosivo e bastante violento - transforma a vida de todos os residentes da pequena casa em um inferno marcado por muito abuso, violência e brigas. Sua mãe, já acostumada a ser maltratada, não faz nada que contrarie as vontades de seu marido. Dessa forma, todos ali vivem em constante estado de medo, com exceção de Eleanor que, além de não temer Richie, já pagou caro por tê-lo contrariado.

Além dos problemas em casa, Eleanor sofre bullying na escola por conta de sua aparência. Por ser alta, grande e ruiva, a garota chama muita atenção para si e por conta da situação econômica precária de sua família, suas roupas são sempre de segunda mão e, muitas vezes, masculinas. Como resultado, ela é vista como a "garota esquisita" da escola. Um dia - o primeiro em sua nova escola -, ao entrar no ônibus, acaba sentando ao lado de Park mais por falta de opção do que por escolha, e daquele dia em diante, passou a se sentar ao lado dele no ônibus todos os dias.

Park, ao contrário de Eleanor, vem de um lar bem estruturado, com pais presentes e um irmão mais novo. Ainda assim, sempre se sentiu deslocado por ser de origem coreana por parte de mãe e também por gostar de coisas que ninguém parece gostar, como o rock alternativo da época (The Smiths e Alphaville, por exemplo) e quadrinhos dos X-Men. Aos poucos, Eleanor e Park, por meio das músicas e dos quadrinhos, se aproximam e se apaixonam.

***

Não há como negar: "Eleanor & Park" é um livro nostálgico e muito fofo. Apesar do enredo ser bastante comum, a forma como Rainbow Rowell escolheu abordá-lo fez toda a diferença. É uma delícia acompanhar os dois adolescentes enquanto se conhecem e se apaixonam. Além dos personagens cativantes, o livro prende o leitor por conta da ambientação nos anos 1980 e suas muitas referências àquela época. É possível dizer que "Eleanor & Park" tem uma trilha sonora e que esta é marcada principalmente por músicas dos Smiths e do U2. Durante toda a leitura foi impossível não sentir uma nostalgia em relação a um período que não vivi.

Ainda no campo das referências, preciso fazer a menção à duas relacionadas a livros. O livro preferido de Eleanor é "O apanhador no campo de centeio" e eu achei isso incrível, porque assim como Holden - e muitos de nós na adolescência -, ela parece viver sempre em conflito e sem saber muito bem o que fazer com a sua vida. A personagem gosta muito de ler e, em determinado ponto da história, faz uma análise de Romeu e Julieta que me fez repensar tudo o que penso sobre o clássico de Shakespeare. 

Gostei também da forma como Rainbow Rowell (gente, que nome fofo!) retratou as cenas na casa de Eleanor. Percebi que em alguns momentos, eu ficava tensa e torcendo para que o padrasto da Eleanor não aparecesse quando ela estava escutando as fitas gravadas por Park, ou lendo os quadrinhos que ele emprestou. Por mais que a história seja ambientada no mundo real, é impossível não passar a enxergar Richie como um vilão; e, neste caso, bem mais assustador do que aqueles em livros de fantasia.

Ainda assim, apesar dos aspectos positivos já apontados, não consegui me sentir completamente conectada à história; pelo menos não até o final. Quando comecei a leitura, não queria parar de ler, porém, sinto que na metade do livro a narrativa foi perdendo ritmo, como se a autora não soubesse o que escrever ou como desenvolver algumas coisas. A partir desse ponto a leitura ficou arrastada e comecei a ficar mais desesperada para terminar o livro do que para saber como a história ia acabar. A narrativa feita em terceira pessoa é dividida em capítulos e estes são divididos entre as perspectivas ora de Park, ora de Eleanor. O recurso funcionou bem em alguns momentos, mas em outros apenas me irritou; foi o caso de situações quando ambos descreviam a mesma situação mudando apenas o ponto-de-vista.

Ao chegar ao fim, gostei do desfecho escolhido, mas não pude deixar de lamentar o fato de que algumas coisas que levaram a esse desfecho foram abordadas muito superficialmente. Chegar a esta constatação me deixou um tanto chateada, já que queria muito amar esse livro e não encontrar nenhum defeito.

Vale ressaltar que esta é a minha opinião e ela pode ter sido afetada tanto por expectativas (juro que tento não criá-las, mas às vezes é inevitável), quanto pelo momento. Ainda assim, penso em reler o livro quando o filme estiver para ser lançado (vai ter filme, né?) e, quem sabe não acontece o mesmo que aconteceu com a releitura de "A culpa é das estrelas?' Então, se você estiver com vontade de ler "Eleanor & Park", não se sinta desencorajado por mim, pois pode ser que você goste; o que sugiro é que você procure outras opiniões antes de tomar a sua decisão final. Para concluir, digo que mesmo sem ter amado o livro, acredito que ele deva agradar àqueles que gostam de livros de YA contemporâneo como os de John Green.

***

Em tempo: a Stela fez uma lista INCRÍVEL com todas as referências musicais que aparecem em "Eleanor & Park"; para conferir, clique aqui.


6 Comentários

  1. Olá >< Faz um tempo que ando vendo a capa dessa livro nas redes sociais, mas nunca me interessei em ir procurar do que se trata, aí vi a sua resenha e decidi ler. Vou ler pra tirar minhas próprias conclusões, mas acho que vou gostar, me disseram que tem algo de diferente nas páginas desse livro, você pode me dizer o que é?


    Parabéns pelo blog, é lindo *-* E você escreve tão bem <3 Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Michas!

    Também tive a mesma impressão que você sobre o livro. No geral, gostei e achei tudo fofo, mas não foi tudo que eu estava esperando, sabe? Achei que do começo ao fim, ela soube escrever bem a história e tudo fluiu bem, mas ficou faltando alguma coisa pra ser um livro cinco estrelas.

    O final, apesar de doloroso, foi necessário, pelo menos ao meu ver. Gosto de pensar que eles vão se encontrar quando já forem adultos e retomar de onde pararam hahahaha

    Enfim, adorei a resenha!

    Bjs
    Nas Quartas
    Usamos Rosa

    ResponderExcluir
  3. Oi, Vanessa


    Mesmo não tendo gostado muito de Eleanor & Park, não há como negar que é uma história fofa e com personagens cativantes. E é como você disse: cada um tira as próprias conclusões, né? Eu não amei, mas pode ser que você ame :)


    Algo de diferente nas páginas? Você diz no papel? Olha, a minha edição é em inglês e o papel não tem nada de diferente, é amarelado hehe...


    Fico feliz que tenha te motivado a ler o livro e você tenha gostado do blog! Muito obrigada pelo carinho :)


    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mariana


    Pois é. Adorei a leitura, mas quando cheguei ao fim fiquei "ah, então...é assim que acaba?", fiquei meio indiferente, sabe? Algo ficou faltando...


    Ainda assim, concordo com o que diz sobre o final: foi doloroso, mas necessário e coerente, né? Bem realista. Também gosto de pensar que eles se reencontraram. Se não retomaram a relação, pelo menos conversaram e, sei lá, se tornaram amigos? Hehe :)


    Fico feliz que tenha gostado da resenha!


    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Michas!
    Até agora, só li coisas positivas sobre esse livro. Como você disse, a história não é lá a mais criativa do mundo, mas estou com vontade de ler pelas referências nostálgicas aos anos 80. Acho que vou gostar. :)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Michelle


    Então, também só vi coisas positivas sobre o livro e, acho que por isso, criei expectativas. Ainda assim, é bem fofo e traz referências interessantes :)
    Espero que goste!

    ResponderExcluir