Finalmente trago o primeiro post sobre filmes de 2015! Porém, ainda falo dos últimos filmes assistidos no ano passado. Já assisti alguns filmes em janeiro, mas como acho que o post ficaria enorme se juntasse tudo, resolvi separar, ok? Abaixo vocês conferem as minhas impressões de uma animação, duas adaptações e um romance bonitinho.


Mesmo se nada der certo (Begin Again, 2014)
Direção: John Carney | Gênero: Comédia/Drama/Musical | Avaliação: 4/5
Sinopse: Gretta (Keira Knightley) e Dave (Adam Levine) são namorados de longa data e parceiros na composição de músicas. Quando ele consegue um contrato com uma grande gravadora em Nova York acaba deixando tudo para trás, inclusive Greta. Mas a vida da jovem tem uma nova virada quando ela conhece Dan (Mark Ruffalo), um produtor musical falido que a vê cantando em um bar e se encanta com seu talento.
Não conhecia este filme e só o assisti porque a Amandinha me recomendou. E ainda bem que ela o fez porque adorei a experiência. "Mesmo se nada der certo" começa de forma meio inusitada, como se já estivesse na metade da história e aí, aos poucos, as coisas começam a se encaixar e a fazer sentido. A princípio, achei que o enredo seria bastante previsível, o que é verdade até um certo ponto. Porém, de forma alguma, consegui prever como seria o desfecho da trama, o que foi muito bom.

Gostei da escolha do elenco e, não vou mentir, fiquei surpresa com o Adam Levine, porque não tinha ideia de que ele sabia atuar. Tá certo que ele interpreta um músico, mas ainda assim, o achei bastante convincente no papel. Também me deixei surpreender por Keira Knightley, que é uma atriz de quem gosto bastante, mas que não sabia que poderia cantar. E que voz agradável a moça tem! Mark Ruffalo está, como sempre, bem no papel e consegui sentir muita pena de seu personagem em diversas partes. O personagem de James Corden é bem divertido e fiquei com vontade de conhecer outros trabalhos dele.

O filme é uma opção para quem gosta de romances e/ou está procurando algo mais leve para assistir. A trilha sonora é ótima e também é parte da trama. Desafio a pessoa que resolver assistir ao filme a não ficar com "Lost Stars" na cabeça por vários dias.

||

Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1 (The Hunger Games: Mockingjay - Part 1, 2014)
Direção: Francis Lawrence | Gênero: Distopia/Ação| Avaliação: 4/5
Sinopse: Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) encontra-se no Distrito 13 depois de ter literalmente acabado com os jogos para sempre. Sob a liderança da Presidenta Coin (Julianne Moore) e seguindo os conselhos de seus amigos de confiança, Katniss abre suas asas tanto quanto luta para salvar Peeta (Josh Hutcherson) e toda uma nação movida por sua coragem.
Este filme é a terceira parte de uma série, então se você ainda não assistiu "Jogos Vorazes" e "Jogos Vorazes - Em Chamas" não recomendo que leia esta parte do post para evitar spoilers.

Acredito que contrario boa parte dos fãs da trilogia de Suzanne Collins quando digo que gosto dos filmes e também do desfecho que a autora escolheu para a sua história. Assim, estava bastante empolgada para assistir a primeira parte de "A Esperança". Como adaptação, gostei do que vi na tela e em muitos pontos acabei preferindo o filme ao livro. Digo isso porque nos livros só temos conhecimento do que ocorre a partir da perspectiva de Katniss, enquanto os filmes nos permitem ter uma visão mais ampla do que ocorre em Panem, com diferentes pontos de vista, como o do presidente Snow.

Penso que a divisão do último livro em dois filmes, além de garantir muito dinheiro para os estúdios, serviu para trazer mais detalhes aos filmes e não deixar os acontecimentos muito corridos para o espectador. Porém, analisando tudo como uma obra cinematográfica, acho que foi uma decisão meio infeliz, porque o resultado foi um filme lento e que destoa dos demais. Preferia que tivessem feito um único filme de mil horas do que dividir o desfecho em duas partes.

Ainda assim, gostei do resultado e das atuações. Destaques para a cena em que Jennifer Lawrence canta "Hanging Tree" e para a atuação de Josh Hutcherson no final.

||

O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos (The Hobbit: The Battle of the Five Armies, 2014)
Direção: Peter Jackson | Gênero: Fantasia/Aventura | Avaliação: 3/5
Sinopse: A épica conclusão das aventuras de Bilbo Bolseiro, Thorin Escudo-de-Carvalho e a Companhia de Anões. Tendo recuperado sua terra natal do dragão Smaug, a Companhia involuntariamente despertou uma força mortal para o mundo. Enfurecido, Smaug espalha sua ira sobre homens, mulheres e crianças indefesas da Cidade do Lago. Obcecado pelo tesouro recuperado, Thorin sacrifica amizade e honra para guardá-lo enquanto Bilbo tenta de todas as formas fazê-lo ver a razão, o que leva o hobbit a uma decisão desesperada e perigosa. Mas há ameaças ainda maiores pela frente. Invisível para todos, exceto para o mago Gandalf, o grande inimigo Sauron enviou legiões de orcs para um ataque surpresa à Montanha Solitária. Enquanto a escuridão cresce, os anões, elfos e homens devem tomar uma decisão: ou se unem ou serão destruídos. Bilbo se encontra lutando por sua vida e pela de seus amigos na épica Batalha dos Cinco Exércitos, com o futuro da Terra-Média em jogo. 
Este filme é a terceira e última parte de uma trilogia. Se você não assistiu "Uma jornada inesperada" e/ou "A desolação de Smaug", não recomendo que leia esta parte do post para evitar spoilers.

Dos três filmes, "A Batalha dos Cinco Exércitos" foi o que menos me agradou, ainda assim, de forma geral, gostei do desfecho. Para ser sincera, ainda não sei o que penso do filme. Acho que Smaug foi bastante anticlimático e acredito que a parte dele destruindo a Cidade do Lago deveria ter entrado para o segundo filme, porque com a batalha da terceira parte, a participação do dragão acaba perdendo seu brilho. Sobre a cena em si, apenas tenho elogios. Tudo ficou bem feito e os efeitos visuais são um show à parte. Relevemos o exagero que foi a cena de Bard com seu filho (que tenho quase certeza de que não existe na obra de Tolkien) matando o dragão, ok?

Quanto à batalha dos cinco exércitos, pouco tenho a dizer, exceto aquilo que já se espera. Muitos efeitos visuais, cenas de ação meio absurdas - LEGOLAS DESAFIA A GRAVIDADE!- e mortes de personagens queridos. Destaque para Thranduil e seus movimentos de luta únicos. Tauriel, a elfa criada por Peter Jackson, também tem momentos interessantes na batalha. Apesar de ela ser, provavelmente, a personagem mais odiada de todos, eu não tenho nada contra sua criação e gostei de sua presença nos filme. Só não perdoei o romance bizarro com o Kili. E o suposto ~triângulo amorosos~ com o Legolas. Isso foi demais.

A cena dos magos em Dul-Guldur foi um ótimo acréscimo ao filme, pois faz ponte para "O Senhor dos Anéis", mas não vou enganar ninguém: achei bem assustadora e medonha a cena da Galadriel possuída pela Samara. Sei lá, achei bem exagerada. 

Adorei a forma como retrataram Thorin sofrendo da doença do dragão e de como isso afetou a sua relação com os demais. Mais emocionante foi vê-lo lutando contra isso e compreendendo o que precisava ser feito. Lembram daquele que é o protagonista, mas que simplesmente some ao longo da história? Então, Bilbo não tem muita participação neste filme - pelo menos durante boa parte dele. Ainda assim, Martin Freeman continuou fazendo um ótimo trabalho e não consigo imaginar outra pessoa como o adorável hobbit. Quanto ao final propriamente dito, sinto que faltou explicar como Frodo foi viver com Bilbo e que raios foi feito da Pedra Arken e de Tauriel, claro. Espero que em uma versão estendida estas questões sejam respondidas.

Mesmo com uma tendência meio negativa em meus comentários, quero deixar claro que gostei do filme e que pretendo assisti-lo muitas e muitas vezes.

||

O serviço de entregas da Kiki (魔女の宅急便, 1989)
Direção: Hayao Miyazaki | Gênero: Fantasia/Aventura/Drama | Avaliação: 5/5 
Sinopse: Kiki é uma jovem bruxa em treinamento, que acabou de completar treze anos. De acordo com a tradição, todas as bruxas com essa idade devem deixar suas casas, para aprender a viver por conta própria. Kiki, junto com seu gato Jiji, voa para longe para viver na cidade de Korico. Depois de chegar lá, tem de arrumar emprego e aprender o verdadeiro significado de sua nova vida, principalmente depois que perdeu o poder de voar.
Pensem em um filme fofo. Pensaram? Então, "O serviço de entregas da Kiki" consegue ser ainda mais fofo. Conheci o filme durante a minha infância pelo Disney Channel e anos se passaram sem que pensasse nele até que, um dia, simplesmente senti vontade de assistir novamente.

O que mais gosto é como o filme oscila entre algo leve e melancólico, e de como o diretor conseguiu transmitir de forma tão singular a ideia de amadurecimento e as dificuldades e angústias que surgem a partir daí. É de se admirar como Kiki se mostra otimista em relação ao seu futuro, cheia de energia e com vontade de crescer e aí, aos poucos, começa a se mostrar frustrada e assustada como todos nós nos sentimos quando vivemos este momento de nossas vidas. 

É um filme que parece simples, mas não é. A história é rica em significados que podem ser interpretados de forma bastante profundas. É o tipo de obra para se sentir. Indico à todos.

Todas as sinopses e imagens foram retiradas do site Filmow, exceto quando indicado.


- Michas


10 Comentários

  1. Tenho vontade de ver Begin Again desde antes de lançar, mas ainda não assisti. Ouvi alguns comentários não tão bons sobre e os seus me deixaram aliviadas.


    Gostei muito de A Esperança e também acho que os filmes da série são muitas vezes melhores que os livros (apesar de eu ter devorado os livros também). Nesse último em especial, só consegui chorar no cinema.


    Me falta também esse último filme do Hobbit pra completar a trilogia, mas não são os primeiros comentários levemente desanimadores que eu leio. Pelo menos já vou preparada.


    Finalizando, fiquei com muita vontade de assistir Kiki, vou procurar para baixar.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. A Batalha dos Cinco Exércitos também foi o filme que menos me agradou entre os três. Já li o livro e fiquei um pouco desapontada com esse ultimo filme. Achei que eles mudaram algumas coisas que fez perder um pouco o brilho da história.
    Mas mesmo assim achei um filme ótimo! Quase chorei com aquela música dos créditos.

    ResponderExcluir
  3. Quero muito assistir "A Esperança". É meu livro favorito da trilogia Jogos Vorazes. Jura que você achou o filme lento? Ouvi muitos dizerem que é o melhor dos filmes até agora.
    Também quero assistir "Begin Again".
    Beijos
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Michas! Tudo ótimo?

    Com exceção de A Esperança assisti todos. Como você disse, no
    livro a cena de Bard matando Smaug não é assim. Lá a flecha negra é apenas uma
    flecha comum, nada de arpão com toques nouveau que, disparado com aquela força, no improviso,
    arrancaria a cabeça do Bard Jr. Mas ok!

    Mesmo se nada der certo foi um dos melhores filmes que assisti em 2014 (a cena
    do Ruffalo compondo mentalmente uma orquestra de acompanhamento... linda).

    E sou suspeito a falar sobre Kiki's Delivery Service, ou qualquer obra do
    Studio Ghibli, pois as amo e recomendo todas! Se conhece o trabalho do estúdio entende
    o que estou falando, mas caso não conheça pode assistir O Túmulo dos Vagalumes
    ( Hotaru no Haka/The Grave of Fireflies) e Meu Vizinho Totoro (Tonari no
    Totoro/My Neighbor Totoro). O primeiro é uma emocionante e tristíssima história
    de dois irmãos tentando sobreviver no pós Segunda Guerra e o segundo uma fábula
    com os espíritos da floresta (fofos demais).

    Enfim, gosto bastante do La Vie en Rose e adorei o post!

    Beijos!

    http://entretenilendo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Michas!!
    Gostei bastante de A Esperança e não tanto assim do Hobbit....achei o romance entre a Tauriel e o Kili forçado demais D: típica ferramenta pra ganhar bilheteria por ter um romance poribido, tsc. Mas não desgotei do filme em si e concordo com as questoes que você lenvantou. Poderiam ter explicado um pouco melhor o que aconteceu né? Já que a pedra Arken provocou essa guerra :T


    Queria comentar mais sobre Kiki's Delivery Service! Eu literalmente CRESCI vendo alguns filmes do Studio Ghibli e super indico TODOS! Meu Vizinho Totoro era um dos meus favoritos, a trilha sonora é ótima <3 Também indico Mimi wo Sumaseba (Whisper of the Heart), Kaze no Tani no Nausicaa (Nausicaa of the Valley of the Wind) e Hotaru no Haka (The Grave of Fireflies). São filmes que além de lindo passam uma mensagem muito profunda e só depois de reassistí-los quando cresci é que pude entender esses significados.


    Tem 2 filmes bem famosos desse estúdio, talvez você conheça ou já tenha ouvido falar: A Viagem de Chihiro e O Castelo Animado. Também são muito bons <3

    ResponderExcluir
  6. Oi, Paloma

    Então, acho que o segredo com Begin Again é não criar muitas expectativas e se divertir ;)

    Mesmo não gostando tanto de A Esperança quanto gostei dos outros filmes da série, ainda assim continuo preferindo eles aos livros.

    Pois é, A Batalha dos Cinco Exércitos foi meio decepcionante em alguns aspectos. Ainda assi, gostei. Acho que, se você estiver preparada para os exageros do filme, pode acabar gostando.

    O Serviço de Entregas da Kiki é uma gracinha! Assista sim e depois me conte o que achou ;)

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. É, Larissa
    Achei que, por ser o último filme da trilogia, A Batalha dos Cinco Exércitos deixou à desejar em alguns pontos. E nem me fale das alterações na história original; simplesmente não consigo entender que raios é aquele assistente do prefeito e, principalmente, o triângulo amoroso inútil.
    Mas, ainda assi, gostei dos filmes e, claro, pretendo assistir várias vezes :)

    ResponderExcluir
  8. Oi, Mariana
    Não achei o filme lento. Achei que, em relação aos outros, ele tem bem menos ação, o que pode ser um empecilho para quem vai ao cinema à procura de ação, entende? É um filme que foca mais no lado político de Panem, deixando a guerra mesmo para a segunda parte. Isso é bom para a construção do cenário e de tudo o que tá acontecendo de forma mais detalhada, porém, analisando o filme como filme, o resultado é destoante dos demais filmes.
    Begin Again é uma gracinha ;)
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá :)

    Pois é, achei aquela cena em que o Bard mata o Smaug bem exagerada e, no fundo, não entendi muito a utilidade daqueles filhos dele a não ser sair berrando o tempo todo "pai! pai! paaaaaaaaai!!!!". Enfim, vai entender.

    Ah, a cena do Mark Ruffalo construindo a orquestra na imaginação é linda mesmo! Acho que é a minha favorita, ao lado da banda tocando no alto do prédio :)

    Preciso conhecer mais filmes do Studio Ghibli, por isso, já anotei as dicas. Assim qie tiver assistido, vou postando aqui as minhas impressões ;)

    Awwwn, que bom que gosta do blog e do post! Fico muito feliz em saber! \o/

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi :)

    Olha, nem vamos comentar sobre os exageros desnecessários de A Batalha dos Cinco Exércitos, ok? Prefiro ignorar o ~triângulo~amoroso, haha. E não perdoei mesmo não explicarem o que foi feito da pedra Arken.

    Preciso MUITO assistir mais trabalhos do Studio Ghibli! Não vi nenhum dos que você citou, apesar de já ter ouvido falar de Totoro, Chihiro e O Castelo Animado. Já anotei as dicas e assim que tiver assistido, volto aqui para contar o que achei, ok? Obrigada pelas sugestões!

    Beijos

    ResponderExcluir