É sempre assim, quando sinto que vou entrar em ressaca literária e/ou estou desmotivada com as minhas leituras, basta pegar um livro da Agatha Christie para me sentir curada deste mal. A semana passada foi conturbada para mim, não consegui ler o tanto que queria para a #MLI2015 e já estava pensando em desistir, quando decidi começar a leitura de "Assassinato no campo de golfe", terceiro romance da rainha do crime e o segundo com o famoso detetive belga Hercule Poirot.

Narrado em pelo capitão Hastings, o mistério tem início quando Hercule Poirot recebe uma carta de monsieur Renauld, um bilionário sul-americano, solicitando os seus serviços com bastante urgência e informando, sem muitos detalhes, que a sua vida está em risco. Intrigado, Poirot resolve partir para a França, onde seu futuro cliente vive. Ao chegar, ele nota que há algo de errado e é logo informado de que monsieur Renaul está morto. Fora assassinado na última madrugada com uma punhalhada nas costas e seu corpo fora deixado no campo de golfe próximo a sua residência. 

Surpreso e com a impressão de que há algo muito familiar neste caso, Poirot, fazendo uso de suas "células cinzentas", irá juntar as peças do quebra-cabeças que era a vida de monsier Renauld, buscando por motivos e suspeitos até que chegue ao verdadeiro culpado. Mas antes ele terá que enfrentar depoimentos contraditórios e a presença de Girauld, um renomado detetive francês com métodos de investigação bastante questionáveis e que parece determinado a chegar à uma conclusão sobre o caso antes de Poirot. 

Com uma narrativa envolvente e intrigante - como já era de se esperar de Agatha -, "Assassinato no campo de golfe" é um dos casos que mais gostei de ler. A investigação - cheia de detalhes, pistas (verdadeiras ou não) e personagens que prendem a atenção - torna impossível largar o livro até que se revele o desfecho. O caso, creio que um dos mais complicados que Poirot já encontrou, traz muitas reviravoltas, de forma que a chance de ser surpreendido no final é muito grande. Confesso que, como sempre, tentei investigar junto e errei. Aliás, mesmo com todas as pistas, não cheguei nem perto de descobrir o verdadeiro culpado. Ah, é neste livro que uma personagem é introduzida na vida do capitão Hastings.
A minha edição é a mais recente lançada pela editora Globo Livros, que traz uma capa bem bonita e atraente para os novos leitores, além das amadas páginas amareladas. A diagramação é satisfatória, assim como o tamanho da fonte. Porém, vale atentar para o fato de que alguns erros de revisão passaram; ainda assim, não chega a ser algo que vá atrapalhar a leitura. 

Por fim, fica aqui mais uma dica de um livro bem legal da Agatha Christie e que, creio, pode funcionar muito bem para aqueles que nucna tiveram contato com o trabalho da autora. 


Deixe um comentário