Dos muitos nomes que entraram para a minha lista de leituras por conta do booktube, H.P. Lovecraft é sem sombra de dúvidas um dos mais antigos. Mencionado normalmente ao lado de Edgar Allan Poe, Lovecraft se consagrou por escrever histórias aterrorizantes que fogem à nossa compreensão, misturando elementos de fantasia e ficção científica e, consequentemente, revolucionando o gênero de terror. Publicado no Brasil pela editora L&PM, "A tumba e outras histórias" reúne treze textos de H.P. Lovecraft que evidenciam as diferentes nuances do autor durante as fases de sua vida.

Na primeira parte - que soma oito escritos - , encontramos os melhores contos da coletânea, produzidos durante a fase madura da carreira de Lovecraft. É aqui que encontramos os aspectos de suas histórias que nos fazem ficar de cabelos em pé: criaturas diabólicas e sobrenaturais, construções assombradas e o terror psicológico e perturbador. Não vou mentir: as histórias com cara de filme de terror foram as que menos me impressionaram: "A tumba", "Ele", "A estranha casa que pairava na névoa" e "O clérigo diabólico" trazem o sobrenatural e o inexplicável como elementos para causar horror; aqui encontramos histórias que remontam ao passado, espíritos vingativos e obsessão mórbida pelo desconhecido. 

O conto "Aprisionado com faraós", que traz o maior número de páginas, é um híbrido entre diário de viagem e suspense aterrorizante. No início, o narrador se estende por longas descrições e explicações sobre o Egito e o terror fica por conta do final, quando novamente temos contato com o inexplicável. Apesar de ter um certo fascínio em relação ao Antigo Egito, este foi o conto de que menos gostei; ouso dizer que o achei bastante enfadonho. Em "O Festival" encontramos uma das primeiras histórias do chamado Cthulhu Mythos - a mitologia criada por Lovecraft - ao acompanhar o narrador durante as celebrações do Yule em uma cidade que parece ter parado no tempo.

Por fim, as minhas preferências nesta primeira parte: "Horror em Red Hook" e "Entre as paredes de Eryx". No primeiro conto, encontramos uma história de investigação que envolve loucura e folclore e nos conduz a um dos desfechos mais surpreendentes e assustadores da coletânea. O segundo, uma história de ficção científica, nos apresenta à uma realidade futurística, na qual a humanidade passa a explorar Vênus à procura de cristais. Nesta história, acompanhamos a jornada de um explorador que encontra um labirinto transparente e teme a presença de uma espécie primitiva.

***

A segunda parte, "Primeiras histórias", reúne textos escritos durante a adolescência de Lovecraft e já revelam um pouco do que viria a ser o estilo do autor. Ao todo, são cinco textos, dos quais vale a pena destacar "A fera na caverna" e "A transição de Juan Romero". No primeiro, o leitor é envolvido por suspense ao acompanhar a história de um homem que se perde em uma caverna escura e tem a constante sensação de estar sendo observado em sua solidão. Já no segundo, somos apresentados a dois mineradores que são surpreendidos por um poço sem fundo misterioso e que esconde algo aterrador.

Os demais contos desta parte não me impressionaram, apesar de se mostrarem interessantes e promissores. "O Alquimista" é uma história sobre vingança e feitiçaria, na qual somos apresentados a uma maldição que se arrasta por gerações de uma mesma família. Em "Poesias e os deuses", o jovem Lovecraft passou longe do terror e nos apresenta uma história com elementos da mitologia grega. Por fim, "A Rua", um conto diferente, nada assustador, mas criativo. Aqui, temos uma rua como protagonista e acompanhamos os acontecimentos que a marcaram ao longo dos anos.
Na terceira parte, temos acesso à quatro fragmentos - textos e notas - que Lovecraft escreveu com o intuito de transformar em algo maior, mas que nunca vingaram. O primeiro deles, "Azathoth", apesar de não explicitar no texto, faz referência ao Cthulhu Myhtos em seu título. Em "O descendente", há uma aparição do Necronomicon, famoso livro criado por Lovecraft e que faz parte da mitologia do autor, aparecendo em diversos contos. "O livro" inicia a história de um homem que recebe um livro antigo e misterioso que faz uma série de eventos estranhos ocorrerem. Por fim, "A coisa ao luar" resultou de um sonho de Lovecraft e serviu de base para um conto de J. Chapman Miske. Nenhum dos fragmentos apresenta um desfecho para suas histórias.

De forma geral, considero este meu primeiro contato com o trabalho de H.P. Lovecraft como estranho. Ainda que a coletânea traga textos escritos em diferentes épocas, pude perceber alguns padrões como características do autor e que não me agradaram completamente. Lovecraft é considerado um dos maiores escritores de terror, porém, não consegui sentir o medo, o horror, propostos em suas histórias. Acredito que isto tenha ocorrido por conta de sua narrativa, que considero bastante descritiva e lenta, talvez com o intuito de construir suspense, mas que para mim funcionou como uma forma de afastar o interesse. Falando de forma franca: achei a narrativa de Lovecraft cansativa. Ainda assim, fiquei impressionada com "Entre as paredes de Eryx", de forma que pretendo procurar mais escritos do autor voltados para a ficção científica. Por trazer alguns dos primeiros textos de Lovecraft, acredito que "A tumba e outras histórias" possa ser de maior interesse para aqueles que já conhecem e admiram o trabalho do autor.

Livro cedido pela editora em parceria com o blog.


Deixe um comentário