"Um conto de natal" é aquele tipo de história que todo mundo conhece mesmo sem ter contato com o material original. Eu, por exemplo, conheci a história do avarento Scrooge quando era criança por meio de uma adaptação em animação da Disney, na qual os personagens de Dickens são ~interpretados~ por Mickey, Pateta, Tio Patinhas (inspirado no verdadeiro Scrooge) e cia. Porém, em 2015, decidi que já era hora de conhecer a história de Dickens pelas palavras do próprio. E não me arrependi, pois o livro é tudo isso que dizem que é.
Publicado em 1843, "Um conto de natal" apresenta o leitor à Ebenezer Scrooge, um senhor ranzinza e amargurado que odeia o natal, só pensa em trabalhar e explorar o seu funcionário, Bob Cretchit. Porém, na noite da véspera de Natal, Scrooge recebe a visita do fantasma de seu antigo sócio, Jacob Marley, que não pode descansar em paz por não ter sido generoso em vida.

Marley diz que Scrooge ainda pode se salvar e lhe informa que naquela noite três fantasmas o visitarão: os fantasmas do Natal Passado, do Natal Presente e do Natal Futuro. A partir das visitas dos fantasmas,da interação de Scrooge com os mesmos e das situações que ele presencia, Dickens apresenta o leitor à reflexões acerca do verdadeiro significado do natal.
Aos olhos atuais, o enredo pode até parecer previsível, óbvio e, talvez, batido. Mas precisamos lembrar que Charles Dickens escreveu "Um conto de natal" no século XIX e, a partir disso, ajudou a moldar o imaginário coletivo ocidental do Natal. O conto permanece um clássico por conta de seu caráter atemporal e universal - pois aqui não há menção a religiões e aos valores que estas atribuem ao natal. É muito fácil se identificar com a mensagem que Dickens quis transmitir com a busca por redenção de Scrooge e ao enfatizar a importância das boas ações e do amor ao próximo não apenas no natal, mas durante o ano todo.

A narrativa envolvente e divertida de Dickens dispensa comentários, pois é uma delícia de ler. Hoje sei que preciso ler mais deste autor tão querido por tanta gente. Apesar de complementar o post com a foto da minha edição lindinha da Collector's Library, li a edição em português publicada pela L&PM e que traz a tradução de Carmen Seganfredo e Ademilson Franckini; gostei bastante e recomendo. E caso você ainda não tenha lido "Um conto de Natal", por favor, leia. Prometo que não irá se arrepender.


Deixe um comentário