Na real, sou muito velha pra ser jovem. Assim, enquanto muita gente da mesma ~faixa etária~ que eu passa a sexta-feira pulando de alegria por motivos de baladinha, churras dos brother e/ou barzinho, eu sonho com o momento em que poderei colocar pijama, me enrolar em cobertores e colocar as séries de TV que acompanho em dia. Como sei que não tô sozinha nessa, resolvi aproveitar a oportunidade para vasculhar o catálogo da Netflix (que, infelizmente, não tá me patrocinando) à procura de séries que já assisti, aprovei e recomendo muito para maratonas de fim de semana. Então, se você terminou a sua série favorita do momento e/ou está em crise porque não tem Doctor Who este ano, não se preocupe! Eu te entendo e este post é para você. Preparado?

Stranger Things
Eu sei, todo mundo só fala em Stranger Things. Mas eu preciso fazer o mesmo, então se você não aguenta mais o assunto, pode pular para próxima série da lista, ok? Stranger Things é um ótimo exemplo de como uma receita comum acompanhada de uma generosa dose de nostalgia pode dar muito certo. Analisando friamente, a série não tem absolutamente nada de inovador, muito pelo contrário, ela é uma mistura de várias coisas que a gente já viu em filmes dos anos 80 que foram reprisados exaustivamente na Sessão da Tarde para a alegria de nossas infâncias. Ainda assim, a produção da Netflix merece todo o reconhecimento que tem recebido porque foi um belíssimo acerto.

Não quero entregar muito do enredo porque a primeira temporada só tem oito episódios e é interessante descobrir as coisas conforme elas vão acontecendo, porém acho que é seguro dizer que Stranger Things é uma série de mistério e ficção científica com cara de filme do Steven Spielberg e que tem potencial para agradar adultos, crianças e adolescentes. E, claro, há MUITA referência à cultura pop da época.



***

Gilmore Girls
Como todo dia é dia de recomendar Gilmore Girls, não poderia deixar a série de fora da lista. Um grande sucesso no início dos anos 2000, a história de Lorelai e Rory é apaixonante. Aliás, tudo em Gilmore Girls é apaixonante! A série tem como foco principal a relação entre mãe e filha e seu estilo de vida único. Porém, é muito mais que isso. Por meio de situações cotidianas na vida das Gilmore e dos peculiares moradores de Stars Hollow, acompanhamos dramas familiares, relações de amizade, primeiras experiências, superação de obstáculos, realização de sonhos e muito, muito mais. Com um texto divertidíssimo, personagens cativantes e inúmeras referências culturais, Gilmore Girls é uma série sobre a vida e eu acho que todo mundo deveria assistir. Se eu ainda não te convenci, leia este texto.

É possível que você sinta o ímpeto de consumir doses absurdas de café enquanto assiste a série. Se isso acontecer, não se preocupe porque é absolutamente normal. Aos amantes dos livros recomendo ter sempre um caderninho e uma caneta ao alcance, porque Rory é uma leitora voraz e muitos - muitos mesmo - livros são citados e/ou vistos em cena.

***

LOST
Confesso que fiquei na dúvida se recomendaria essa série, porque, aparentemente, todo mundo (inclusive quem nunca assistiu) odeia. No entanto, como LOST é uma das séries da minha vida, não poderia deixar de recomendar. Acredito que muita gente já conhece a premissa, mas vamos lá: a série acompanha um grupo de sobreviventes de um acidente de avião que cai em uma ilha isolada e, aparentemente, inabitada no meio do Pacífico. E coisas ~estranhas~ e ~ misteriosas~ acontecem por lá.

Muito mais do que uma série cheia de enigmas, LOST é uma série sobre seus personagens e sobre a vida - a deles, a minha e a sua também. É aquele tipo de série na qual você torce por seus personagens preferidos e aprende a admirar aqueles que, a princípio, detestou. Todo mundo que está ali é muito humano, logo, tá cheio de falhas e esconde medos e segredos e é lindo acompanhar tudo isso sendo revelado a cada episódio.

A série foi um marco em sua época por introduzir um tipo de narrativa diferente do que era vigente, além de expandir essa narrativa para fora da televisão. Até hoje é possível ver a influência de LOST em várias produções. Sério, é uma série muito boa. E se você tem receio de assistir só por causa das coisas que falam do final, acredite, 1) o final não é ruim e 2) mesmo que você não goste do final, isso não é suficiente para anular toda a experiência que é LOST. Sério, assistam LOST!

***


Orphan Black

Orphan Black é uma das séries atuais que mais gosto de acompanhar. Misturando elementos de mistério, ação e ficção científica, a série é muito envolvente; cada episódio termina te deixando com vontade de continuar (não estou brincando, devorei a primeira temporada em dois dias!). É um pouco complicado falar sobre Orphan Black sem entregar muito de sua história, mas vamos lá: imagine que você está na plataforma de uma estação de trem esperando para embarcar quando, de repente, uma mulher começa a se desafazer de seus objetos e depois pula na frente de um trem. Ah, e antes de pular ela olhou pra você e...ela tinha o seu rosto. Isso é o que acontece com Sarah Manning nos primeiros minutos do episódio piloto. Aos poucos, tanto Sarah, quanto quem assiste, percebe que há mais pessoas espalhadas por aí com o mesmo rosto. Novamente, ~ coisas estranhas~ acontecem.

Além de trazer um enredo cheio de reviravoltas, a série se destaca por apresentar personagens femininas bastante diversificadas e fortíssimas, cada uma do seu jeito. É lindo ver esse tipo de coisa na televisão. E é claro que não posso falar de Orphan Black sem mencionar o ser humano mais incrível da produção: Tatiana Maslany. Essa mulher é maravilhosa, por favor, alguém dê um Emmy para ela. Juro que a série já vale só pela Tatiana, mas não se preocupem porque a história é realmente boa e os personagens também, além de serem interessantes e bem desenvolvidos.

***

Full House
Por fim, mas não menos importante: Full House. Confesso que o que me motivou a colocar essa série aqui é a quantidade de fofura e amor nela presentes. Full House é o tipo de série em que nada dá errado e quando dá, rapidamente é corrigido. Não existe final triste em Full House. Tudo é lindo e encantador. Se Full House fosse um tipo de comida, seria aquele chocolate quente em um dia frio que é capaz de aquecer até o mais gelado dos corações. Full House é o tipo de coisa que me faz sonhar com um mundo habitado por unicórnios. Full House é amor.

A série se tornou bastante popular nos anos 80 e 90 - aqui no Brasil, por conta do SBT - e é o tipo de programa para toda a família. Não existe palavrão e todo episódio termina com uma lição de moral. É bem piegas e brega durante 99% do tempo, mas quem foi que disse que a gente não pode ser ~cafona~ de vez em quando? Estamos falando de uma sitcom, então o humor está presente o tempo todo, porém é um tipo de humor mais inocente e até meio bobinho, mas juro que é de um jeito bom (menos quando é o Joey, que é realmente bobo e nunca me faz rir). Por favor, assistam Full House e sintam-se abraçados.

A série ganhou um spin-off/continuação este ano pela Netflix: Fuller House, que é exatamente como a série original, porém adaptada aos tempos atuais e tendo como protagonista a nossa querida e amada D.J. Tanner. O elenco original, com exceção das gêmeas Olsen, também faz participações e é tudo tão nostálgico que eu acho que vale a recomendação também. Se você não quiser começar por Full House, comece pela série nova e depois volte para o início. E não, não tem problema começar com a série atual.

Agora, para finalizar, recomendo apenas que você providencie um balde de pipoca e uns chocolates e pronto!, pode começar a maratona!

- Michas


6 Comentários

  1. Adorei as dicas de série!

    Stranger Things eu vi no primeiro dia e simplesmente ignorei/cancelei todos os meus compromissos pra ficar imersa ali. Não sei se é a melhor série da Netflix, mas com certeza é a melhor fórmula! Amei e faria essa maratona de novo.

    Gilmore Girls eu comecei a assistir quando era mais nova, pra me ajudar no listening de inglês. Mas depois de algumas temporadas comecei a achar chato. Não sei se é porque eu era muito nova, talvez. Vou dar uma chance :)

    Lost assisti por tabela porque minha mãe era/é viciada. E é exatamente isso: o final da série não estragar o desenrolar.

    Orphan Black: SIM <3

    Fuller House eu assisti bem pouquinho, sabe? Tipo na Nick at Night, daquelas séries antigas que passavam. Mas se Netfliz tá trazendo por algo é, hahahah


    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Meu sonho conseguir fazer maratona de séries, as poucas que consigo me concentrar são coisa de uns 5 episódios seguidos, no máximo!

    ResponderExcluir
  3. Amo todas as séries da lista e faz um tempo que quero rever Lost. Bem que a Netflix poderia incluir no catalogo né? hahah
    beijos
    www.jeniffergeraldine.com

    ResponderExcluir
  4. Eu lembro de quando você assistiu Stranger Things, acho que vi no Snapchat! É muito viciante mesmo, não dá pra largar!

    Olha, eu também achava Gilmore Girls chato quando era adolescente, mas, ao contrário de você, achei chato desde o início. Só fui assistir quando estava na metade da faculdade e aí, foi só amor. No entanto, tem uma fase mais complicada na série mesmo. Não lembro que temporada é, mas é depois que a Rory sai da escola.

    LOST é a série mais injustiçada de todos os tempos. As pessoas precisam assistir prestando atenção no que a série quer dizer e não nos mistérios, sabe?

    Full House e Fuller House são só amor <3 Fico mais leve depois que assisto, juro!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olha, não é com toda série que consigo fazer maratona. Mas, quando faço é meio como você. Assisto uns 5 episódios e pauso pra fazer outras coisas. Às vezes, em um fim de semana preguiçoso, costumo assistir mais de uma e vou intercalando.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Jeniffer
    Também quero rever LOST algum dia! A série tá completa na Netflix faz um tempinho! :)
    Beijos

    ResponderExcluir