Você sabe o que é uma newsletter? Pois eu não tinha a menor ideia do que era uma newsletter até ler este post da Anna Vitória há alguns meses. Recomendo muito que você leia também para ter uma noção melhor do que estou falando. Mas, resumidamente, uma newsletter nada mais é do que uma correspondência eletrônica que você assina para receber conteúdo diretamente em sua caixa de entrada. Sim, no seu e-mail. Pode ser a newsletter de um site, por exemplo, que irá listar todos os links da semana e você poderá se manter atualizado e se certificar de que não perdeu nada de interessante. E pode ser também a newsletter de gente-como-a-gente, o que proporciona uma variedade enorme de conteúdo.

Tem gente que gosta de reunir links legais que viu durante a semana - partindo da ideia de que a correspondência seja semanal -, outras pessoas gostam de escrever textos mais íntimos e/ou ficcionais e há também aqueles que optam por bater um papo sobre os últimos dias, a rotina da vida, coisas interessantes (ou não) que tenham lhe acontecido, etc. Como disse, a coisa é bem ampla e pode abranger todo tipo de conteúdo. Particularmente, após iniciar a minha navegação por este universo paralelo, percebi que tenho preferência pelas newsletters com cara de blog pessoal do início dos anos 2000. No caso, são aquelas em que a pessoa que envia a cartinha fala um pouco sobre como anda a vida e depois aproveita para falar sobre algum filme que assistiu, ou um livro que leu, ou qualquer outra coisa que ela ache legal compartilhar.

Assim que entendi o ~conceito~ desse tipo de newsletter e passei a acompanhar várias pessoas, decidi que queria entrar na brincadeira também e, há alguns meses, dei início à mais um ~projeto pessoal~. A experiência tem sido muito divertida, além de ter me proporcionado um contato diferente e - será? - mais profundo com algumas pessoas que talvez já me conhecessem de outros lugares desta internet de todos nós. Por ter os ares de uma sociedade secreta, as newsletters parecem fazer com que a gente se sinta mais disposto a se abrir um pouco mais e a falar de coisas mais pessoais, sobre as quais não falaríamos em um post de blog ou vídeo, por exemplo. Elas também nos permitem compartilhar alguns pensamentos que não renderiam algo legal o suficiente para ocupar espaço em outra ~plataforma~.

Ainda que só tenha começado a ler e a escrever newsletters há pouco tempo, sinto que elas são uma possibilidade interessante para conhecer pessoas novas e também expandir o contato que temos com quem já conhecemos. Sem contar que é super legal, no fim do dia, abrir a minha caixa de entrada e encontrar vários textos escritos por pessoas que querem se comunicar e trocar ideias. Agora que consegui, ainda que mais ou menos, explicar o que são newsletters e o que eu acho delas, vou aproveitar a oportunidade para listar cinco das que mais gosto e, claro, falar um pouco sobre a minha.

No Recreio, da Anna Vitória
Obviamente, não poderia falar das newsletters que mais gosto de ler sem começar pela minha preferida, escrita por aquela que 1) me introduziu à este universo e 2) já considero minha guru espiritual. A Anna tem 22 anos, se formou em jornalismo, acabou de viver uma série de aventuras aqui em São Paulo e em sua newsletter fala sobre acontecimentos de sua vida, reflexões que surgem a partir de situações cotidianas ou do noticiário, sobre os álbuns que marcam suas semanas, mais um monte de coisas legais e Harry Styles (porque sim, temos sempre que falar deste ser humano incrível). O que eu mais gosto nos textos da Anna é que eles são uma delícia de ler e sempre trazem uma dose de bom humor. Nem preciso dizer que eu largo a vida quando recebo notificação de cartinha nova, né?

Só quem é clarividente pode ver, da Clara Browne
Faz pouco tempo que conheci a newsletter da Clara Browne, mas pelo que pude compreender até agora, Clara é estudante de Letras, é super adepta da zoera e muito legal. Seus textos são sempre divertidos e giram em torno de sua vida e reflexões que surgem a partir de seus estudos, de coisas que vê na internet, de livros que lê, etc. Já disse que ela é super criativa e sempre, SEMPRE, me mata de rir? Gente, sério, assinem a newsletter da Clara.

Eu não odeio a segunda-feira, da Luara França
Se você quer começar a semana com bom humor e unicórnios, esta é a newsletter para você. A Luara costuma fazer meio que uma lista de coisas que podem deixar a sua segunda-feira melhor, reunindo links de coisas interessantes que ela leu, dicas de vídeos e filmes e, claro, recomendações musicais. Assim como eu, Luara parece ser o tipo de pessoa para quem música é tão essencial quanto respirar, então, acho maravilhoso receber amor musical semanalmente.

Um Lapso Sutil, da Tati Dantas
A Tati fala sobre suas leituras, psicanálise, as séries de TV que está assistindo e seu amor por Gilmore Girls. Ela também faz uma ótima seleção de links com os quais esbarrou pela internet e compartilha com seus assinantes. O que acho mais legal ao ler a newsletter da Tati é que, por acompanhar seus vídeos e conhecer o seu jeito de falar, consigo escutar a sua voz na minha cabeça enquanto leio e isso faz com que a experiência seja mais próxima.

Bobagens Imperdíveis, da Aline Valek
Confesso que não conhecia a Aline (ela é escritora e tem um blog) até ler o post da Anna Vitória. Porém, é unanimidade neste universo das newsletters que Aline é a rainha. E não é pra menos, porque a leitura das cartinhas que ela envia é sempre um prazer. Aqui tem de tudo um pouco: comentários sobre notícias, recomendações literárias, links legais, ilustrações, pensamentos sobre o mundo pop e textos ficcionais.

HELLO, STARSHINE, desta que vos escreve
Por fim, mas não menos importante, a minha newsletter. Analisando friamente, o que temos aqui é uma extensão do meu Twitter que se encontra com as ~mirabolâncias~ do meu cérebro. Não tenho critério algum e costumo ser aleatória; basicamente, falo sobre o que me der vontade e/ou me marcou nos últimos dias e, normalmente, me atenho ao que li, assisti e escutei. De vez em quando compartilho alguns links (adoro ler notícias espaciais e do mundo pop). Não tenho uma regularidade definida, mas a intenção é enviar cartinhas a cada quinze dias; quando dá, escrevo semanalmente e tento chegar na caixa de entrada alheia nos finais de semana.

E por enquanto é isso o que tenho a dizer sobre o Fabuloso Mundo das Newsletters. Espero que tenham gostado e que o post tenha sido de alguma forma útil para você. Se você gostou da proposta das newsletters, desce para o play que a gente vai adorar brincar com você.

- Michas


6 Comentários

  1. Esse post da Anna levou muitas de nós pra esse mundo! (e a dela segue sendo minha preferida disparado!)

    Assinei algumas das que você indicou (a sua também!), gosto da vibe das newsletters e vejo uma diferença em relação aos blogs, mas fico um pouco triste da gente estar perdendo gente-dos-blogs pra gente-das-newsletters (a própria Anna, por exemplo).

    ResponderExcluir
  2. Assina algumas (várias) newsletters porém, pra ser sincera, não entendo o apelo real delas. Pelo menos dos textos que recebo o conteúdo poderia ser facilmente compartilhado nos blogs, então fico meio 'assim', haha. No meu blog tem um campo para adicionar o e-mail e assinar a minha newsletter, mas nunca enviei nada por lá! Ainda sou adepta do bom e velho post no blog. =)

    ResponderExcluir
  3. Oi :)

    Pois é, serei eternamente grata à Anna por ter me apresentado a este universo! É tão legal! Também acho que há algo de levemente diferente nas newsletters e por isso acho que é possível que elas existam sem atrapalhar os blogs, mas é inegável que tá rolando uma migração. Uma pena, porque eu também gosto de gente-dos-blogs :/

    Ainda não me recuperei da morte do So Contagious.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Thay
    Eu entendo muito o que você diz. Algumas das newsletters que assino e que mais gosto de acompanhar trazem conteúdo que poderia mesmo ser compartilhado em blogs. Acho que a questão aqui é mais da preferência de quem escreve. Há o fato de que as newsletters parecem ser algo mais privado e, por isso, podemos nos sentir mais confortáveis para falar de alguns assuntos. Fora que quem assina a newsletter é, normalmente, alguém interessado em ler o que você tem para dizer, né? Então a chance de receber alguma resposta/comentário é maior, acho.
    Porém, os blogs são algo tão pessoal e trazem tanto de quem é a pessoa que escreve que não consigo me ver abandonando uma ~plataforma~ para usar só a outra, sabe?
    Enfim, vamos ver onde é que isso tudo vai parar, haha!

    ResponderExcluir
  5. Assino a da Anna, mas mergulhei de vez nesse mundo (e criei a minha) depois de ler no medium a enorme lista de indicações de links de newsletters da Aline Valek. <3 Amo newsletters e sentia falta do mesmo que você (e também me sinto mais à vontade, novamente, pra falar coisas mais pessoas de um modo que há anos deixei de me sentir com o blog). :)

    ResponderExcluir
  6. Pois é, esse jeito meio despretensioso e pessoal das newsletters foi o que me faz gostar desse universo. Estava sentindo falta disso.
    A lista da Aline Valek é ótima <3

    ResponderExcluir