(Aquele em que respondo a hashtag #fav7films na calada da madrugada)

Não vou mentir: hoje procrastinei horrores para sentar e escrever o post do dia. Acontece que ontem a Anna Vitória convidou uma galera para brincar de #fav7films lá no Twitter e eu, nesse clima de desespero que é bedar, decidi na hora que iria transformar minhas respostas em post. Para quem não sabe do que eu tô falando, a hashtag consiste em algo muito simples - só que, obviamente, não: fazer uma lista com os seus sete filmes preferidos. Não sei o porquê do número sete, mas vou arriscar uma interpretação ~criativa~ e dizer que deve ser porque o cinema é a 7ª arte. Ba-dum-tss.

Antes de partir para a lista, gostaria de dizer algumas coisinhas. A primeira delas é que eu acho que o cinema, assim como toda forma de arte, nos atinge de diferentes maneiras e nós o buscamos por motivos distintos. Ou seja, nem sempre o que é bom para mim, é bom para você e tá tudo bem. No meu caso, apesar de adorar uns filmes mais ~inteligentes~ e que nos fazem refletir sobre a condição e existência humanas, não sou o tipo de pessoa que tem estrutura para assistir esse tipo de coisa com muita frequência. Cinema para mim é um escape, é algo a que recorro quando quero conforto porque a vida não tá legal. Então, por mais difícil que seja fazer minha lista de filmes favoritos, a única certeza que tenho é que ela estará cheia dos blockbusters hollywoodianos porque é com esse tipo de filme que eu cresci e é pra esse tipo de filme que eu sempre volto quando quero me sentir bem. And I think that's beautiful. #feelingsaretheonlyfacts

Também gostaria de antecipar um pedido de desculpas à todos os filmes que ficaram de fora da lista. Só tinha lugar para sete e eu os escolhi de forma meio aleatória. Literalmente, sentei na frente do computador e digitei os sete títulos que pipocaram primeiro na minha cabeça. Então, sem mais delongas, vamos aos meus #fav7films! \o/


De volta para o futuro - a trilogia | Robert Zemeckis (1985, 1989, 1990)
Sim, já comecei roubando por colocar uma trilogia na lista. Mas não dá para escolher só um dos filmes, então, vamos encarar tudo como uma história só dividida em três partes, ok? De volta para o futuro é o tipo de filme que acho muito difícil que alguém não goste, porque é uma mistura de aventura, comédia, ficção científica e romance. Ou seja, tem um pouco para todos os gostos. A história é envolvente, a trilha sonora é maravilhosa e os personagens são cativantes. Ah, e os filmes melhoram a cada vez que você assiste. Se eu pudesse, moraria em Hill Valley e seria muito amiga do Marty.

Cantando na chuva | Gene Kelly e Stanley Donen (1952)
Sabe quando um filme é metalinguístico? Então! Adoro quando filmes contam a história do cinema; aí, quando inventam de fazer um musical sobre a transição do cinema mudo para o cinema sonoro, a coisa fica melhor ainda. O filme, além de muito divertido, me deixa nostálgica por algo que nunca vivi - sensação que sempre me ocorre quando assisto clássicos da Era de Ouro de Hollywood.

Curtindo a vida adoidado | John Hughes (1986)
Ferris Bueller é o herói de toda criança dos anos 80 e 90, então jamais poderia deixá-lo de fora desta lista. Muito mais do que um filme sobre adolescentes vivendo altas aventuras e confusões enquanto matam aula, Curtindo a vida adoidado nos ensina sobre a importância de aproveitar cada momento que temos, porque um dia a gente pode se dar conta de que o tempo passou e que a gente nem viveu direito. #SaveFerris #YOLO

Os infiltrados | Martin Scorsese (2006)
Não sei o que acontece comigo quando assisto esse filme, só sei que amo muito e irei protegê-lo. PARA INÍCIO DE CONVERSA, tem o Leonardo DiCaprio, a.k.a. meu amor platônico desde que eu tinha 8 anos; depois, tem o Matt Damon - que eu adoro - e o Jack Nicholson, que dispensa qualquer comentário. Adoro a tensão e o nervosismo que sinto enquanto assisto ao filme, mesmo já sabendo tudo o que vai acontecer. Os diálogos são ótimos também e, sério, qualquer filme que coloca Comfortably Numb na trilha sonora merece o meu respeito. Felizmente, a Academia achou de bom tom agraciar o filme e o Scorsese com estatuetas do Oscar.

Benny & Joon | Jeremiah S. Chechik (1993)
Faz pouco tempo que me dei conta de que amo esse filme e, atualmente, vivo um conflito interno para decidir qual é o meu personagem preferido do Johnny Depp: Sam ou Edward Mãos de Tesoura? Na real, atualmente, vivo um conflito interno só de pensar em Johnny Depp. São tempos sombrios estes em que vivemos. No entanto, Benny & Joon é tipo uma caneca de chocolate quente em um dia muito frio, sabe? O filme trata de um tema pesado, porém, o faz de forma leve e deliciosa de assistir. E, sinceramente, é bem legal ver um jovem Johnny Depp entregando uma ótima atuação (bem melhor que certo índio com jeito de certo capitão pirata).

A pequena sereia | John Musker e Ron Clements (1989)
Este aqui foi o primeiro filme em que pensei, porém deixei para colocar no final porque imaginei que pudesse pensar em mais algum. Mas quem é que eu quero enganar? Eu amo A pequena sereia desde que me entendo por gente; acho até que aprendi a cantar as músicas antes de saber falar direito. De todos os filmes deste post, esse é o que menos sei falar a respeito porque há muito amor e nostalgia envolvidos. É o filme que quase não assisto mais hoje porque o guardo em um cantinho especial e só tiro de lá quando a vida está particularmente difícil. Nesses casos, basta deixar Ariel, Linguado e Sebastião fazerem o trabalho deles e rapidamente já começo a sorrir de um jeito besta e tudo fica bem de novo.

***
E essa é a minha não-muito-fabulosa lista de sete filmes favoritos. Analisando de forma sincera, acho que fui um tanto medíocre e não pensei muito nas minhas escolhas, mas em tempos de BEDA a gente faz o que dá para fazer. Além disso, se eu fosse analisar cada uma das minhas escolhas antes de colocá-las na lista, ficaria aqui até o natal, porque, convenhamos, é muito impossível escolher favoritos nessa vida, né? Assim, já deixo aqui a ideia para a Michelle do futuro fazer uma lista em que possa contemplar as comédias românticas, os filmes da Disney e as franquias ~explosivas~ que ficaram de fora deste post.

- Michas


6 Comentários

  1. Vi os Inlfitrados no cinema e sim, achei ele legal... Até um certo ponto. Ai depois não ia a hora desse filme interminável terminar. Achei que ia morrer ali dentro da sala sem ele acabar! Mas el tem uma história bem legal sim. E Pequena Sereia é amor, minha princesa favorita, faz muito tempo que não vejo também, mas tem um lugar bem especial no meu coração <3

    ResponderExcluir
  2. de volta para o futuro é meu filme de infância <3 <3

    ✦ ✧ http://bruna-morgan.blogspot.com ✧ ✦

    ResponderExcluir
  3. Não, não dá pra escolher só um De Volta para o Futuro.
    Essa trilogia é aquele tipo de filme que você assiste anos depois, achando que a sua cabeça mudou, que você vai achar desatualizado, velho, mas no fim é muito melhor do que você pensava e muito mais atual que vários filmes de ficção. <3

    ResponderExcluir
  4. Concordo, é impossível colocar apenas um De volta para o futuro em qualquer lista!
    E é exatamente assim que me sinto, sempre fico com medo de assistir achando que não vai ser mais tão legal, mas o filme acaba sendo ainda melhor. O tempo passa e ele melhora <3 Adoro muito!

    ResponderExcluir
  5. É um dos que mais gosto, porém só assisti pra valer quando tinha uns 11 anos.

    ResponderExcluir
  6. HAHAHAHHA, eu me vi no seu comentário. Assisti Os Infiltrados pela primeira vez em DVD e fiz as contas de minutos toda errada (sou de humanas, sabe como é) e aí, quando vi que o filme não tinha só 1h30 e que parecia interminável comecei a me desesperar. Porém, acabei gostando tanto que ignoro e sempre que dá assisto de novo. Hoje já nem percebo que é longo.
    A pequena sereia é sempre lindo, né? Amo muito <3

    ResponderExcluir