Estamos entrando na reta final do Blogmas e do ano e, nossa, eu não tô aguentando mais. Então, já estou operando no piloto automático e tirando forças de não sei onde, porque, como disse, não aguento mais. Neste fim de semana não fui assistir Rogue One, mas fiz algumas coisas que queria registrar (leiam: não sabia sobre o que postar, então, vai ser diarinho mesmo).

***
17/12/2016

É uma verdade universalmente reconhecida que deixar para fazer compras no último final de semana antes do Natal é uma tremenda cilada. E é claro que minha família deixaria para fazer exatamente isso. Fomos além: deixamos para fazer as compras apenas no domingo. Assim, passei o sábado inteiro sentindo um misto de empolgação, pois ah-nossa-compras-de-Natal-coisas-novas-presentes, e desespero, já que Meu-Deus-shopping-no-Natal-que-pesadelo-que-morte-socorro.

Como já sabia que sobreviver ao dia seguinte seria uma verdadeira via-sacra, passei o sábado inteiro praticando o self-care e carregando as baterias para o que viria; de forma que fiz um total de vários nada, além de acordar na hora do almoço, passar o dia de pijama, assistir Pretty Little Liars (que temporada rocambolesca é a 6ª, não?) e O legado Bourne (na real, bem mais do mesmo; nada de muito empolgante, mas também não é esse horror todo que dizem) comer cookies e ler os blogs das migas de Blogmas.

Para não dizer que não fiz nada de ~útil~, decidi dar início aos trabalhos da primeira award season do blog e já estou rascunhando as retrospectivas literária, musical e de séries. Ainda não sei o que farei sobre os filmes, já que 2016, definitivamente, não foi um ano de filmes por aqui. Tentei deixar pronta a próxima newsletter, mas não rolou e agora, só depois do Natal. Talvez. São questões.

Fui dormir cedo - para os meus padrões, claro, e por ser sábado.



***

18/12/2012

Levantei por volta das 9h, tomei uma dose muito generosa de café, comi um cookie, me joguei debaixo do chuveiro e me preparei para a jornada do dia. Não escutei música para não me desconcentrar (às vezes me empolgo e começo a me arrumar muito devagar e me atraso). Ainda que tenha sido a última a ficar pronta, não atrapalhei o ~cronograma~ e tudo ocorreu como o planejado. Exceto pela minha irmã, que acordou meio-resfriada-meio-alérgica e decidiu ficar.
~look do dia~ confortável, com meus Converses de estimação. Foto tirada depois que cheguei em casa - por isso a cara de acabada -, mas o que vale é a intenção e o registro.

Surpreendentemente (ou não, pois crise), o shopping estava menos movimentado que o esperado, de forma que conseguimos andar um pouco e comparar os preços de algumas coisas. Acho que em uma hora já tínhamos comprado presentes para quase todos, de forma que fizemos uma pausa para almoçar antes de comprar os nossos presentes, risos. Esfomeada que estava, fui a feliz consumidora de um bife à parmegiana (?) com batatas fritas. - que não fotografei porque estava com fome e nem pensei nisso. Abri mão da sobremesa, porque bateu um desespero ao observar que o shopping estava ficando cheio.

Em algum momento enquanto meus pais procuravam algo para minhas tias, visitei a livraria e saí de lá me sentindo vitoriosa porque não comprei nadinha. Ajudei minha mãe a escolher um vestido para minha irmã, coisas para meus primos adolescentes (pior coisa é comprar presente para meninos adolescentes) e uma camisa para o meu avô. Minhas memórias já estão um pouco embaralhadas, mas acho que demos mais algumas voltas e depois paramos para tomar alguma coisa no Starbucks antes voltar para casa, por volta das 17h.
Frappuccino Cookies, que parece milkshake e eu achei ótimo. 

Chegamos exaustos, porém satisfeitos com as compras e contentes por temos sobrevivido. Em uma análise mais pessoal da experiência, apesar da canseira, fiquei feliz por poder passar um dia todo com meus pais em um shopping que frequento desde criança. Toda vez que vamos lá, meu pai lembra de umas histórias que envolvem uma versão minha de seis ou sete anos, balões, fila no Mc Donald's e doces. Quando a gente começa a ~ficar mais velho~, paramos de achar ruim passar tempo com nossos pais; na verdade, valorizamos cada um desses momentos.
#verdades

Terminamos o dia bebendo vinho e conversando. Meu cunhado estava aqui e minha irmã estava se sentindo muito melhor. Trocamos alguns presentes também porque não passaremos o Natal todos juntos. Antes de dormir, vou tentar assistir ao The Dance, do Fleetwood Mac, mas sei que há uma chance real de eu dormir antes de chegar na metade.




2 Comentários

  1. Entendo bem esse sentimento misto que as compras de natal trazem. Por um lado, adoro ir comprar coisas (consumista, é) e entrar em todas as lojas, ver tudo, eventualmente tomar sorvete e etc. Mas as lojas extremamente cheias me desanimam muito. Principalmente quando tem crianças esperniando porque querem 3 presentes e pessoas com várias sacolas que insistem em sair trombando elas em você.
    No fim do dia rola um cansaço, mas um cansaço bom :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sentimento misto é exatamente o que eu sinto nessas situações! Não sou completamente descontrolada com compras, mas quando estou disposta a fazer isso, gosto de olhar tudo com calma. Escolher as coisas, ver o que tem de novo, de diferente, etc. Mas é impossível fazer isso sem perder a vontade de viver em época de Natal, né? Shopping lotado, gente estressada e mal educada. E, claro, as crianças. Não fico tão chateada com elas porque lembro que já fui criança um dia e DETESTAVA quando minha mãe me arrastava para compras de fim de ano, haha.
      Contudo, é tão bom chegar em casa e ver as coisas novas. É um cansaço bom mesmo. :)

      Excluir