(Ou: Aquele com mais um meme literário)

Eu juro que quando parei para refletir sobre o apocalíptico ano de 2016 e disse que entre meus planos para o ano que se iniciava estava a intenção de escrever mais para registrar e me lembrar, não imaginei que 1) me transformaria no tipo de ~blogueira amadora~ que começa todo e qualquer post com um pedido de desculpas pela parca quantidade de atualizações e/ou 2) recorreria sempre ao meu estoque de memes. Mas cá estou, mais uma vez, me-desculpando-só-que-não-muito pelo descaso com o bloguinho antes de me propor a responder mais um meme. Desculpa, gente, foi mal, prometo melhorar, não desistam de mim,  pfvr.

Agora, vamos ao meme! Junho chega ao fim, com ele se vai a primeira metade de 2017 e reza a lenda que chegado também é o momento de analisar a vida durante os últimos seis meses. Sabe aquela coisa de fazer um balanço geral e ver no que dá para melhorar e o que é melhor deixar pra lá? Pois é. Como não me apetece falar sobre a Vida Real(the struggle is real!), vou me ater à Vida Literária que, pela graça de nosso bom senhor Chuck, começa a apresentar sinais de melhorias. Ainda não tá top, ainda não tá 100%, mas em comparação ao que foi este mesmo período no ano passado, tá de parabéns. 
E depois das delongas e do nariz de cera, shall we begin?


Melhor livro que leu até agora
Na natureza selvagem, de Jon Krakauer, porque foi o primeiro título em que pensei e também porque é, de fato, um livro muito bom. Na real, é um LIVRÃO DA PORRA. Daqueles que fazem a gente pensar na-vida-no-universo-e-tudo-mais, repensar a forma como a gente existe no mundo e como nos relacionamos com as pessoas. Daqueles que acho que todos deveriam ler. Só lamento que a leitura tenha acontecido em fevereiro e que quase tudo que veio depois foi pouco louvável. Aos interessados, fiz um vídeo sobre ele e para assistir, basta clicar aqui. Leiam Na natureza selvagem, pfvr.

Melhor continuação que li até agora
A traidora do trono, de Alwyn Hamilton. Como sabemos, A rebelde do deserto foi uma das mais gratas surpresas que tive no ano passado. Tanto porque não costumo gostar de séries YA de fantasia, quanto pelo universo e personagens criados pela autora. Adorei a mitologia, adorei a ambientação da história e, principalmente, adorei Amani, a protagonista. No segundo livro da trilogia, tudo aquilo que eu havia amado no primeiro foi ampliado (ou explicado) e ganhou novas e mais profundas camadas. Terminei de ler sem fôlego, com o queixo no chão e desesperada pelo desfecho da história, que só sai no ano que vem.

Lançamento do primeiro semestre que ainda não leu, mas quer muito
Olha, são alguns, mas os primeiros em que consigo pensar são dois lançamentos da DarkSide Books: The Beauty of Darkness, o terceiro e último livro das Crônicas de Amor e ódio, e  Minha vida fora dos trilhos, da mesma autora de Em algum lugar nas estrelas (também conhecido como um dos meus preferidos do ano  passado).

Mais aguardado do segundo semestre
Com certeza, O Labirinto dos Espíritos, de Carlos Ruiz Zafón, a quarta e última parte da série do Cemitério dos Livros Esquecidos. Já cheguei a mencionar algumas vezes que o Zafón é um dos meus autores preferidos da vida e a história que começou com A sombra do vento ocupa um lugar muito especial no meu coração de leitora. Estou, inclusive, realizando uma releitura dos livros anteriores para 1) segurar a ansiedade para a parte final e 2) para me lembrar dos detalhes e conexões entre as histórias. Se você também tá nessa ou só fica aí enrolando para ler esses livros, desce para o play e vem ler comigo.

Me decepcionou esse ano
Juntando os pedaços, de Jennifer Niven. Olha, fico até sem palavras. Mas já escrevi a respeito.

Me surpreendeu esse ano
Sinceramente, nada do que li esse ano (até o momento, graças à Chuck!) me surpreendeu. Mas só para não deixar essa pergunta sem resposta, digo que me surpreendi muito com a releitura de O misterioso caso de Harry Styles, da rainha Agatha Christie. Fiquei surpresa porque jamais poderia imaginar que acharia prazerosa a releitura de uma história de detetive da qual já sabia o desfecho e a identidade do assassino. Contudo, como era de se esperar, Agatha, com toda a sua maravilhosidade, me provou o quanto eu estava enganada. Durante a primeira leitura, deixei muitos detalhes importantes passarem e, inevitavelmente, quebrei a cara no final. Já na releitura, além de prestar atenção àquilo que havia ignorado, também pude perceber que, de fato, Agatha Christie não dava ponto sem nó e as pistas já estavam lá desde o começo.
Ah, vale leituras em andamento? Se sim, Anna Kariênina tem se mostrado uma bela surpresa porque estava preparada para sofrer com AAAAH OS RUSSOS! OS RUSSOS!!! Mas o que Tosltói está me entregando é uma leitura super acessível e com ares de novelinha das seis. Tô adorando.

Novo autor favorito que conheceu no primeiro semestre
Vou chover no molhado e responderei Jon Krakauer. Apesar de não saber muito sobre os seus demais livros, gostei tanto do trabalho que ele fez em Na natureza selvagem, que quero ler mais. 

Sua quedinha por personagem fictício mais recente
Não sou muito de ter crush literária e nem tive muito material para isso por enquanto. Mas já que quero brincar direito, a única resposta possível é o Jin, de A traidora do trono, que na minha cabeça é o zAyN fazendo cosplay de Aladdin.

Seu personagem favorito mais recente
Vale o Chris McCandless? Eu sei que ele não é exatamente um personagem, mas meu ano tá bem medíocre nesse departamento. Em todo caso, como tô relendo A sombra do vento, digo que Fermín Romero de Torres continua excelente! Melhor personagem do Zafón. 

Um livro que te fez chorar no primeiro semestre
Meu nome é Michelle Coração Gelado e nada me fez chorar no primeiro semestre. Mas eu também nem li tanta coisa que pudesse ~mexer~ assim com as minhas emoções.

Livro que te deixou feliz no primeiro semestre
Dei boas risadas durante a minha releitura de A sociedade do anel. Principalmente com os hobbits e com alguns comentários do Gandalf.

Resenha favorita esse ano, escrita ou em vídeo
Considerando que só fiz a resenha de Na natureza selvagem, acho que é essa.

Livro mais bonito que comprou ou recebeu esse ano
Gostei bastante da edição de A ilha misteriosa, de Julio Jules Verne, da coleção de clássicos da Zahar. Me dei de presente de aniversário e fiquei bem feliz.

Quais livros quer ou precisa ler até o final do ano
Olha, são muitos! Mas se conseguir ler pelo menos os que coloquei nas minhas metas para 2017, já fico feliz. Outro que também quero ler esse ano é Alucinadamente Feliz. E gostaria de finalmente conhecer a tal da Elena Ferrante, de quem todo mundo na minha bolha da internet fala. Outro livro da Agatha também seria ótimo, assim como conseguir terminar Anna Kariênina e a minha releitura de O Senhor dos Anéis. Na real, só quero que o segundo semestre seja melhor que o primeiro. Não é pedir muito, né? Vamos torcer.

***

Pulei a pergunta sobre a melhor adaptação porque não vi nenhuma esse ano. Pera, A Bela e a Fera vale? De qualquer forma, não li os contos originais, então não faria diferença. Para responder, indico minhas amigas de Cilada e todo mundo que quiser responder.


5 Comentários

  1. Ai MINHA NOSSA, eu sou doi.da pelo Zafón; pra mim ele é um daqueles escritores que nos fazem lembrar porque a literatura é uma arte tão linda. Mas eu não sabia do lançamento do quarto livro da série, então fiquei louca quando vi no teu texto! <3
    Já li todos os livros que ele publicou, só que são só sete e isso me dá vontade de chorar porque MELHOR ESCRITOR EVER - bom saber que esse número vai aumentar.

    P.S.: descobri teu blog recentemente, indo de blogroll a blogroll, e amei ele. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carolina! Tudo bem?

      Ah, que legal saber que você conheceu o blog por conta de blogroll! A blogosfera ~de raiz~ ainda vive! Muito obrigada pela visita e pelo comentário <3
      Acabei de ver que você também tem blog, então, já tô curiosa para visitar também!
      Sobre o Zafón: menina, eu também amo! É meu escritor preferido contemporâneo sem discussão. E sim, vai ter livro para finalizar a série do Cemitério dos Livros Esquecidos! Inclusive, o lançamento é agora em agosto! TÁ CHEGANDO!
      Eu fico triste que ele só tenha sete - quase oito - livros publicados, porque sempre sinto falta. Por isso, economizo. Só tenho Luzes de Setembro ainda aguardando para ser lido, hehe.

      Excluir
  2. Eu amo demais tags literárias <3
    Lembro que li Na Natureza Selvagem em 2015, por aí, anos depois de ter assistido o filme que na época que saiu vi umas três vezes e recomendei pra todo mundo porque me apaixonei demais. Quando li o livro, no início, achei meio chato? Não sei, só não me pegou, mas quando a jornada do Chris começou realmente, quando ele começou a cortar contato com as pessoas e processar tudo que ele tinha vivido daí foi mais fácil de me conectar com ele e com o que ele andava sentido. No final do livro eu, Tany Coração Mole, tava chorando demais porque não conseguia conceber que a história era real e esse tinha sido o fim. É um livro triste, mas muito, muito bonito e fico feliz de ter visto um filme tão bonito quanto pra fazer jus ao livro.

    Quero muito ler os livros da Elena Ferrante também e Anna Karenina, um dia, que descobri que não é tão assustador quanto eu pensava hahaha. Os outros livros acho que não conheço nenhum? Me recomenda um deles pra colocar na minha lista? :)

    Pale September

    ResponderExcluir