(Ou: Aquele com meus doze posts preferidos)

Como ficou combinado no ~post de aniversário~ do blog, hoje resolvi continuar as celebrações e irei listar os posts que mais me marcaram no último ano, seja porque adorei tê-los escrito ou porque me ocorreram em um ímpeto de inspiração e se mostraram uma experiência reveladora. Não são necessariamente os mais comentados ou visualizados, mas são os meus preferidos, meus queridinhos, aqueles que me fazem sorrir quando lembro de como foi trazê-los ao mundo. #proudmama

Então se você é novo por aqui, acho que essa listinha pode ser interessante caso você queira me conhecer um pouco melhor ou ter uma ideia do tipo de coisa que eu gosto de escrever. Shall we begin?

Fangirl
Além de ser o terceiro post do blog, o que já o torna bastante especial, foi com ele que, pela primeira vez em algum tempo, me senti confortável para falar o que achei de um livro. Penso, inclusive, que foi o primeiro texto 100% com a cara deste espaço.  E o mais legal é que não fiquei pensando muito bem no que dizer, não problematizei, não me importei se o livro poderia ter algum elemento incômodo a alguém. Ler Fangirl foi uma experiência maravilhosa, que chegou na hora certa e aqueceu meu coração; e escrever sobre o livro foi exatamente igual. Também adorei procurar os gifs e imagens para acompanhar.

Chaos and The Calm
Fazia um milhão de anos que não me sentia musical e, principalmente, apta para escrever ~direito~ sobre música. Só que em meio ao turbilhão de 7x1 que foi 2016, entrei em contato novamente com meu lado que precisa de música para lidar com as complicações da vida e, dentre todas as maravilhas que o Spotify me apresentou, está o disco de estreia do James Bay. No texto, falei sobre ele, Chaos and The Calm (2015) e da minha relação com as músicas. Também me permiti fingir que faço parte da Crítica Especializada™ e fiz um faixa-a-faixa do disco.

Vou escrever para me lembrar
Além de ser a minha introdução para o BEDA 2016, foi quando escrevia o post que percebi o porquê de ainda manter um blog pessoal. Apesar de ter mais ou menos uma ideia do que iria escrever, deixei que as palavras fluíssem sem pensar muito para onde estavam indo e adorei o resultado. Me diverti bastante escolhendo as fotos, fazendo as montagens e, claro, estabelecendo relações com trechos de músicas da Taylor Swift. ♥
Este foi o primeiro ~texão~ do blog e, sinceramente, até hoje não sei explicar de onde ele veio. Lembro que já tinha esgotado meus posts programados para o BEDA do ano passado e, tranquilamente, me sentei para escrever qualquer coisa em que conseguisse pensar. Já era quase meia-noite de uma segunda-feira, eu estava sem sono e simplesmente escrevi. Foi tudo muito ~orgânico~ e, de verdade, não fazia ideia do que viria como resultado e muito menos que tinha tanta coisa guardada dentro de mim e que precisava ser colocada para fora.

#feelingsaretheonlyfacts
Mais um que nasceu no BEDA 2016 e, com certeza, aquele que mais me fez gargalhar enquanto escrevia e me sentir absolutamente ridícula. Quando decidi que participaria do desafio, a única promessa que me fiz foi a de escrever qualquer coisa sobre o One Direction e eis que este post nasceu. Tudo na experiência de escrevê-lo pode ser descrito com *screams internally* e AKBHBUFEIDWKJANNSAPANDHE AAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHH eu amo este post e irei sempre protegê-lo. 2016 foi um ano para ser muito fangirl, foi um ano para me permitir amar as coisas tal qual uma adolescente de 15 anos e esse texto é exatamente isso. ONE DIRECTION MELHOR BANDA REPASSEM




Aquele que era para ter saído no Supernatural Day
Eu disse que 2016 foi um ano para ser fangirl e, justamente por isso, jamais poderia ter deixado de escrever este post. Na época, vivia o auge do revival de Supernatural na minha vida e, completamente chocada com a capacidade da série para mexer com os meus sentimentos depois de tanto tempo, resolvi listar todos os meus motivos para amar a saga de Sam e Dean Winchester. A intenção era ter publicado em 13 de setembro, também conhecido como Supernatural Day, mas por motivos de #eu, acabei adiando.

Aquele sobre o meu amicão
Mais um que surgiu completamente do nada, já que eu não tinha a intenção de escrevê-lo. Acontece que estava com um tempo livre e era aniversário do meu adorável amicão e, por isso, comecei a escrever qualquer coisa sobre ele. De repente, eis que temos um textão sobre o ser mais iluminado da face da Terra. Toda a experiência de escrita foi bem gostosa e, de certa forma, nostálgica. Gostei de pensar no Scooby e nas histórias que vivemos juntos, nas manias dele e em seu jeitinho Belzebu de ser. É um texto cheio de amor e carinho, porque é só isso que esse cãozinho lindo merece.

Fazia pouco tempo desde que tinha terminado meu rewatch da série, que é uma das minhas preferidas, e queria registrar meus sentimentos a respeito. Acabei optando por responder um meme e o resultado foi um post cheio de gifs e que me fez rir do começo ao fim; tanto enquanto escrevia, quanto no momento em que revisava. Friends é amor e não merecia menos de mim. Inclusive, ela é a grande culpada por praticamente todos os meus posts trazerem títulos que começam com Aquele que...

All I Want For Christmas Is You
Era época de Natal e, obviamente, de mais cilada: Blogmas 2016. A ideia do post surgiu em um momento de desespero quando, em nosso grupo de apoio, eu e minha amigas ciladetes não sabíamos sobre o que escrever. Como sempre acontece, perdemos o foco e começamos a falar sobre crush e eis que, de forma colaborativa, criamos este meme com o intuito de falar sobre aqueles rostinhos lindos fictícios e/ou célebres que nos roubam o ar e fazem nossos corações baterem mais rápido. Além de fazer uma singela homenagem à Mariah Carey e seu hino natalino, o título do post foi claramente uma escolha creiça, pois é assim que a nossa banda toca.

Lunatic Pisces Awards 2016
Criado no fervor das retrospectivas de fim de ano e executado no marasmo de início de ano, o Lunatic Pisces Awards foi uma ~série de posts~ em três partes: literária, musical e de seriados. Adorei pensar em tudo o que me marcou durante o ano, os favoritos, os mais marcantes, os flops e aqueles que poderia ter vivido sem conhecer. Desde que comecei a fazer parte da blogosfera, esse tipo de post sempre figura na minha lista de coisas favoritas e foi muito bom poder fazer parte da folia dessa vez. Pretendo repetir a dose todos os anos, afinal de contas, a ideia é escrever para lembrar.

What the fucks que escutei na academia (e como gostaria de ter respondido)
Este é, atualmente, o post mais popular desta prestigiosa publicação e confesso estar surpresa. Primeiro, porque aqui temos mais um caso de post não planejado e que surgiu de um improviso; segundo, porque muita gente parece ter se identificado com as situações pelas quais já passei na academia. Ele é um dos meus preferidos não só porque me diverti durante a sua criação, mas também porque me senti muito mais leve depois de o ter publicado. Foi bem terapêutico.

Conversa
Estava bem frustrada (ainda estou) por não ter conseguido publicar o ~post de domingo~ e isso estava me deixando ainda mais desanimada para tentar escrever qualquer outra coisa. Para ser bem sincera, lembro pouco da ocasião em que este texto foi concebido, só sei que já era tarde da noite e eu estava morrendo de sono, além de exausta por motivos de academia. Prestes a desistir de tudo, lamentando para as ciladetes, eis que resolvo fazer um chá e ir dormir. Foi nesse intervalo de tempo que a ideia de escrever o diálogo me ocorreu. Voltei para o computador e...habemus post! Depois disso, chutei o pau da barraca e decidi que os posts vão sair quando tiverem que sair.

Menção honrosa para O meme dos disquinhos, que eu amei criar e responder, e sei que vou adorar reler daqui a um tempo. ♥

Aproveito a ocasião para comunicar que ocultei todos os posts que publiquei antes do blog virar o que é hoje. Todos aqueles arquivos desde 2012 estavam me deixando incomodada e eu achei melhor fazer assim. Eventualmente, quero exportar algumas coisas - principalmente as resenhas de livros - para outro espaço, mas como não sei como ou quando isso vai acontecer, apenas digo bear with me.



Deixe um comentário