CONTO: O poço e o pêndulo, de Edgar Allan Poe


Esse ano, decidi que, para combinar com a temática de terror do mês de outubro, leria algo de Edgar Allan Poe. Pelo menos um conto. Ainda quero ler mais durante os próximos dias, mas por enquanto, o único escolhido foi O poço e o pêndulo e que experiência! 

Publicado em 1842, o conto é ambientado na Espanha durante a Inquisição e traz a história de um homem que, após ser julgado, é condenado e jogado em um calabouço completamente escuro. A princípio, ele está um pouco inconsciente e não se lembra muito bem o que o levou até ali e, enquanto, tenta compreender as dimensões de sua cela, tateando paredes, contando passos e procurando algum sinal de iluminação, conduz o leitor por seu tormento. 


No início, achei o conto um pouco confuso - creio que fosse a intenção - e demorei um pouco para me situar, mas uma vez que comecei a entender o que estava acontecendo, fui invadida por uma sensação de completa tensão. É claustrofóbico e bem perturbador. O livro Edgar Allan Poe - Medo Clássico, publicado pela DarkSide Books, divide os contos do autor em quatro temas e O poço e o pêndulo está no que foi chamado de Espectro da Morte e posso entender o porquê. Durante toda a leitura, a gente sente que a morte é iminente e é bem angustiante não saber o que vai acontecer em seguida. É uma tortura, tanto para o protagonista, quanto para quem está lendo, já que é possível sentir o desespero do narrador, que entre momentos de inconsciência e lucidez, parece prestes a se entregar à loucura. 

O conto é surpreendente, principalmente no momento em que entendemos o título e toda a tensão se multiplica. Aqui, o terror não surge necessariamente por meio do sobrenatural (apesar de existir um trecho logo no início que me fez questionar esse aspecto) mas sim do psicológico e do que se é capaz de fazer em situações de desespero em que o instinto de sobrevivência, inevitavelmente, fala mais alto e resolve agir. 

Leitura mais que recomendada para quem está à procura de algo que provoque aquela sensação de arrepio. 

★★★★★

Nenhum comentário